Dor no pé

Dor no Pé

Causas para a dor no pé

A dor no pé é um sintoma que pode ser devido a diversas patologias (ou doenças). A fascite plantar, os joanetes, o esporão do calcâneo, o Neuroma de Morton, a artrite gotosa são alguns exemplos de patologias que provocam dores nos pés, como veremos adiante com maior detalhe.

A dor no pé pode ocorrer em qualquer faixa etária, sendo contudo mais frequente em adultos, após os 40 anos de idade. Este sintoma afeta o sexo feminino e masculino de igual forma. No entanto, a dor no pé é mais frequente em desportistas, em pessoas que usam calçado impróprio, como são exemplo os sapatos de salto alto nas mulheres, em pessoas com diferença no tamanho dos membros inferiores (pernas), em doentes com alterações no tipo de “pisada, marcha”, isto é, sempre que as forças que os pés devem suportar estão mal distribuídas, etc. Na criança, a doença de Sever é a patologia mais frequentemente relacionada com a dor no pé.

A dor tanto pode ocorrer em apenas um pé (dor no pé esquerdo ou dor no pé direito), sendo as causas, habitualmente, indiferentes à lateralidade. Em alguns casos, embora menos frequente, as dores podem incidir em ambos os pés (bilateral).

O tratamento depende das causas subjacentes, ou seja, deve ser instituído de acordo com a patologia que está a provocar a dor no pé, como veremos adiante com maior detalhe.

Apresentamos-lhe, de seguida, as principais causas para a dor no pé.

medico_ortopedia.png

Fascite plantar

A fascite plantar é a principal causa de dor no calcanhar, podendo em alguns casos a dor irradiar para outras regiões do pé. A fascite plantar é a inflamação da fáscia plantar. A fáscia plantar é uma banda espessa e fibrosa na parte inferior do pé (por baixo do pé ou na “sola do pé”) que se estende desde o calcâneo (osso do calcanhar) até aos dedos do pé.

O ponto alto de incidência desta patologia verifica-se na faixa etária entre os 40 e os 60 anos, afetando igualmente ambos os sexos.

A fascite plantar tem como sintoma principal a dor no pé, sentida com maior intensidade quando exerce força sobre o pé (ao pisar no chão para caminhar), podendo, no entanto, a dor também fazer-se sentir em repouso. A dor ao colocar o pé no chão é sentida como uma “pontada”. Em casos mais graves, a dor pode ser de tal forma violenta, que o doente pode não conseguir colocar o pé no chão.

Quando caminha, a dor tende a atenuar, mas quando está longos períodos de tempo em repouso ou permanece de pé, a dor intensifica-se. A dor é, habitualmente, mais intensa quando acorda de manhã, se levanta da cama e caminha pela primeira vez (dá os primeiros passos). De igual modo, a dor é tipicamente mais intensa quando permanecemos muito tempo sentados e damos depois os primeiros passos. Geralmente, as dores agravam quando subimos escadas e permanecemos longos períodos de tempo em pé. Por sua vez, a dor tende a diminuir ao longo do dia, quando deambulamos (ao andar, com atividade).

Com o avançar da doença, a zona envolvente fica propensa ao aparecimento de vermelhidão e edema (inchaço).
O tratamento atempado e adequado da fascite plantar são de primordial importância de modo a evitar que o problema evolua para dor crónica.

Saiba, aqui, tudo sobre fascite plantar.

Joanete

O joanete é uma saliência óssea ou um “osso mais saído que o normal”. Pode afetar o primeiro dedo do pé ou “dedo grande” (Hallux Valgus) ou então, afetar o quinto dedo do pé ou “dedo mínimo” (Bunionett). O joanete que afeta o primeiro dedo (Hallux Valgus) é o tipo de joanete mais frequente.

Saiba, aqui, o que é joanete.

O joanete é a patologia (ou doença) mais frequente nos pés dos adultos. Estima-se que cerca de 30% da população possui algum tipo de deformidade. Os joanetes incidem maioritariamente no sexo feminino pois, o uso excessivo de sapatos de salto alto, os denominados de “bico fino” contribui, desde logo para uma deformação do dedo e, consequentemente, para o aparecimento deste problema.

O joanete é uma patologia que com o passar do tempo tende a piorar. Um dos principais sintomas é a dor no pé, que pode ir de moderada a vigorosa, dependendo do grau de deformidade, entre outros fatores.

Muitos joanetes são assintomáticos (não provocam qualquer sintoma). O aparecimento da dor pode ser despoletado pela evolução da deformidade ou com algum fator desencadeante. O uso de calçado inadequado (sapatos apertados, saltos altos, …) é um importante fator de risco para o agravamento do problema. Em alguns casos, para além das dores, pode ocorrer inflamação, verificar-se edema (inchaço) dos tecidos moles e a “pele ficar vermelha”.

Saiba, aqui, tudo sobre joanetes.

Neuroma de Morton

O Neuroma de Morton é uma tumefação (nódulo) do nervo digital plantar, caracterizado por fibrose e desorganização das fibras nervosas. É mais frequente no 3º espaço interdigital do pé (entre o 3º e 4º dedos).

Os principais sintomas são a dor no pé (na parte superior do pé) junto aos dedos (metatarsos ou ossos do pé), sensação de “choques elétricos” ou de “pisar vidro”. Os sintomas tendem a agravar quando usa sapatos apertados ou com saltos altos, uma vez que, nestas situações, o peso do corpo é “empurrado” para a frente, aumentando a pressão que é exercida na “parte da frente do pé”. As dores também tendem a agravar com a marcha prolongada, com a corrida e com a prática de desporto.

Esta patologia é mais frequente nas mulheres que usam calçado inadequado, idade acima dos 50 anos de idade e em desportistas.

Saiba, aqui, tudo sobre o Neuroma de Morton.

Tendinites dos extensores do pé

A dor no dorso do pé (dor no peito do pé ou parte superior do pé) pode também, resultar da inflamação dos extensores do pé (tendinite dos extensores do pé). Na maioria dos casos, do extensor do hallux.

A tendinite é uma inflamação do tendão, neste caso do extensor do hallux que é o extensor do primeiro dedo do pé (dedo grande).
Para além das tendinites, o higroma (reação óssea revestida a pele dura) é frequente na causa de dor no dorso do pé.

Entorse do tornozelo

Um entorse do tornozelo é uma lesão ligamentar (dos ligamentos) do tornozelo e que ocorre quando o “pé é torcido” acidentalmente. A lesão ligamentar pode variar bastante em termos de gravidade. Em alguns casos, pode ocorrer algum tipo ligeiro de estiramento, noutros casos graves estiramentos mais extensos ou pequenas roturas ou, então, pode mesmo ocorrer roturas dos ligamentos (os ligamentos rompem-se).

Um entorse provoca dor no pé, que pode ir de moderada a bastante forte, fundamentalmente, na região do tornozelo, mas que pode irradiar a todo o pé e, em alguns casos, até à perna. Em alguns entorses as dores podem ser intensas ao ponto do doente não conseguir colocar o pé no chão para caminhar. Por norma, ocorre edema do tornozelo (“tornozelo inchado”).

Os praticantes de desportos que exigem movimentos bruscos e nos extremos de amplitude com os pés, como por exemplo no futebol ou futsal, são mais suscetíveis aos entorses. Contudo, os entorses do tornozelo também podem ocorrer em situações quotidianas, quando coloca “mal o pé no chão”, etc..

A maioria dos entorses não são graves, não ocorrendo rotura de ligamentos (apenas estiramento), devendo, contudo, serem todos avaliados pelo médico ortopedista para avaliação da situação.

Um entorse do tornozelo é, na maioria das vezes, facilmente percetível pelos doentes, ocorrendo dor imediatamente após a lesão e edema (inchaço), posteriormente. No entanto, podem ocorrer pequenas lesões, desvalorizadas na hora, e que podem apresentar algum tipo de sintomatologia, mais tarde.

Saiba, aqui, tudo sobre entorse do tornozelo.

Esporão do calcâneo

O esporão do calcâneo (osso do calcanhar) é uma saliência óssea, que maioritariamente surge na parte inferior (por baixo) do calcanhar. O Calcâneo é o maior osso do pé e tem como principal função sustentar o peso do nosso corpo, de modo a atenuar os impactos com o solo. O esporão é uma formação anómala, que não é visível externamente. O principal sintoma é a dor no calcanhar, fundamentalmente, ao colocar o pé no chão para andar, etc..

Para que se verifique dor, é necessário também, que ocorra fascite plantar. As dores são, tal como vimos já, habitualmente, mais intensas quando nos levantamos e damos os primeiros passos e/ou permanecemos bastante tempo sentados e depois começamos, os primeiros passos.

Em alguns casos, pode ocorrer edema do calcanhar ou até mesmo do tornozelo.

Saiba, aqui, tudo sobre esporão do calcâneo.

Artrite Gotosa

A artrite gotosa popularmente conhecida como gota é uma patologia reumática inflamatória que se caracteriza pela acumulação de ácido úrico nas articulações. É frequente a dor na base do primeiro dedo do pé (dedo grande), muito semelhante à presença de joanetes. A artrite gotosa é mais frequente na pós-menopausa (no sexo feminino) e nos homens na idade adulta.

A sintomatologia no joanete ou na artrite gotosa é muito semelhante.

Tendinite, rotura do Aquiles

A tendinite ou tendinopatia do tendão de Aquiles é a inflamação do tendão Aquiliano ou de Aquiles ou do seu revestimento. A dor na “parte de trás do calcanhar ou “barriga da perna” é o principal sintoma na tendinite do Aquiles.

O treino excessivo nos atletas ou em situações que envolvam movimentos repetitivos, o uso de calçado impróprio, a diferença dos membros inferiores, problemas na forma como coloca o pé no chão e o excesso de peso são causas frequentes para o desenvolvimento da tendinite do aquiles.

Saiba, aqui, tudo sobre tendinite do tendão de aquiles.

O tendão de Aquiles é também suscetível a outras lesões, nomeadamente, a rotura ou ruptura do tendão, originando nesse caso quadros bastante mais dolorosos e incapacitantes, quando comparada com a tendinite. A rotura pode ser total (se o tendão rompe por completo ou parcial (se o tendão rompe parcialmente).

A rotura do tendão de Aquiles é uma patologia que provoca fortes dores na região do Aquiles (parte de trás do pé e “barriga da perna” ou “músculos gémeos”) e que é sentida, por norma, imediatamente após a lesão.

Saiba, aqui, tudo sobre a rotura do tendão de Aquiles.

Bursite calcaneana

A bursite calcaneana é a inflamação de uma ou mais bursas calcaneanas. A dor no calcanhar é o principal sintoma, geralmente, mais frequente ao caminhar e com os movimentos do tornozelo. Em algumas situações mais graves, se efetuarmos pressão sobre a área afetada, é provocada uma dor muito forte, que se pode tornar insuportável.

Doença de Sever

A doença de Sever ou osteocondrite de Sever é uma patologia (doença) frequente em idade infantil, frequentemente até aos 15 anos de idade. Nas crianças, a doença de Sever é das patologias que com maior frequência provoca dor no pé. Para além de dor no pé, esta patologia pode provocar dores noutros órgãos. Esta sintomatologia está, geralmente, associada ao esforço físico.

Tipicamente, por volta dos 15 anos, o processo de maturação óssea é concluído. Após esta idade a dor tende a reduzir, ou mesmo desaparecer.
Podemos identificar alguns fatores de risco na doença de Sever: excesso de peso (obesidade), pé pronado (“pé virado para dentro”), diferença no comprimento dos membros inferiores (das pernas), sempre que ocorre um rápido crescimento dos ossos se comparado com o crescimento dos músculos, entre outros.

Sesamoidite

Os sesamóides são dois pequenos ossos, localizados entre o pé e o primeiro metatarso ou “dedo grande do pé”, contíguos à articulação.

Esta patologia provoca dor bem localizada na região anterior do pé, por baixo do “dedo grande do pé”. Em alguns casos podem ocorrer fraturas destes pequenos ossos.

Habitualmente, ocorre em atletas que praticam desportos de alto impacto com o solo, nomeadamente, corredores e bailarinos, etc.

medico_ortopedia.png

Fraturas dos ossos do pé

As fraturas dos ossos do pé podem também ser a causa para a dor. A fratura de um osso é na linguagem popular um “osso partido” ou que se “parte”.

As fraturas, tipicamente, ocorrem em contextos de traumas (acidentes, quedas, etc.). As chamadas fraturas de stress podem ocorrer em contexto de movimentos repetitivos, treino em excesso como corrida, etc.. Geralmente, ocorrem com maior frequência em pessoas mais obesas (excesso de peso).

A fratura de stress dos meta tarsos, apesar de não ser muito frequente, pode ser também uma das causas para a dor no pé. A fratura de stress do calcâneo (osso do calcanhar) é também pouco frequente entre a população. Contudo, nos desportistas, principalmente nos mais pesados ou que não usam calçado desportivo apropriado, é relativamente frequente. Habitualmente, a dor no calcanhar é sentida durante a corrida, podendo no entanto, ser também sentida após a corrida ou mesmo em repouso.

Disfunção do tendão tibial posterior

A disfunção do tendão tibial posterior também ocorre com maior frequência nos praticantes de desporto. Os corredores (atletismo) são os mais afetados. A dor no calcanhar e dor referida à face lateral do tornozelo é o principal sintoma.

Na disfunção do tendão tibial posterior, o tendão não consegue executar a sua função na elevação da arcada plantar. Esta disfunção resulta num pé plano.

Síndrome do túnel társico

A síndrome do túnel társico é uma neuropatia compressiva do nervo tibial posterior. O túnel do tarso está localizado na parte interior do tornozelo. O túnel do tarso é um canal fibro-ósseo com função principal de proteção das artérias, veias, tendões e nervos que atravessam o seu interior.

Se existir compressão do canal, estamos perante uma neuropatia compressiva com sintomas característicos como alterações da sensibilidade (não sente, “formigueiros”) e dor. Esta sintomatologia é mais frequente durante a noite.

Outras causas

Para além das causas atrás apresentadas, que estão entre as principais percussoras de dor no pé, outras patologias poderão estar na origem deste sintoma.

Por exemplo, doenças sistémicas como artrite reumatóide, artrite psoriática, síndrome de Reiter, sarcoidose, osteomielite (infeção óssea), doença de Paget, entre outras, podem também provocar dor no pé.

As hérnias discais (ou hérnias de disco) ao nível da coluna lombar devido à compressão das raízes nervosas podem desencadear dor referida ao tornozelo.

Possuir pé cavo ou pé chato pode também ser um motivo para o surgimento de dor no pé. Estas alterações da curvatura do pé afetam a distribuição de carga e amortecimentos de impactos com o solo. Estes factos podem levar ao desenvolvimento de algumas patologias atrás referidas como a fascite plantar, metatarsalgia e o esporão do calcâneo, entre outras.

A doença de Freiberg, apesar de ser pouco frequente, pode também ser uma das causas para a dor no ante pé. Atinge com maior frequência as adolescentes femininas e praticantes de atividade física.

As artroses, são outro exemplo de causas possíveis de dor.

Para além das patologias atrás referidas, outras podem desencadear dor no pé, entre outros sinais e sintomas. Saiba, aqui, mais sobre outras patologias.

Dor no pé - diagnóstico

O diagnóstico da patologia (ou doença) subjacente à dor no pé é feito pelo médico ortopedista (especialista em ortopedia), levando em consideração a história clínica do utente, o exame objetivo e os resultados de diversos meios complementares de diagnóstico (MCDT).

No que respeita a exames ou meios complementares de diagnóstico, existem diversas opções a que o médico pode recorrer, a saber:

Se procura um médico ortopedista em Portugal, selecione o seu concelho.

medico_ortopedia.png

Dor no pé - tratamento

O tratamento da dor no pé depende das causas subjacentes. Ou seja, após diagnóstico, o médico ortopedista deverá delinear um plano de tratamento de acordo com a patologia (ou doença) responsável pela dor.

Em caso de inflamação, o médico ortopedista pode prescrever medicamentos (ou remédios) anti-inflamatórios (ex. ibuprofeno) de forma a aliviar a dor e reduzir a inflamação. De acordo com as causas, muitos outros medicamentos podem ser usados para tratar ou realizar alívio sintomático. Em diversas patologias, o ortopedista poderá recomendar fazer a aplicação de gelo (geralmente na fase aguda) ou calor (na fase não aguda).

A fisioterapia é aconselhada em diversas situações. O tratamento fisioterapêutico deve ser sempre monitorizado pelo seu médico. Como tratamento caseiro, a realização de exercícios de recuperação em casa, pode ser aconselhada.

O uso de ortóteses (palmilhas, ”almofadas”, bota walker, etc.) podem ser prescritas para permitir uma recuperação mais rápida e melhorar a sintomatologia.

Em muitos casos o médico pode sugerir alterações no estilo de vida, como perda de peso através da adoção de uma alimentação mais adequada, evitar o sedentarismo, prática regular de atividade física, etc..

No caso dos desportistas pode haver necessidade de restrição da atividade física, durante algum período de tempo, de modo a realizar a recuperação.

O tratamento cirúrgico (cirurgia ou operação) possui indicações definidas e são o último recurso quando os tratamentos conservadores fracassam. A grande maioria dos casos de dor no pé é tratada sem recurso a tratamento cirúrgico.

Por fim, nunca é de mais relembrar, que o tratamento atempado e adequado são muito importantes para prevenir a evolução para a dor crónica. O doente não deve em caso algum auto medicar-se sob pena de poder agravar o seu quadro clínico.

Veja informação detalhada sobre tratamentos e prevenção em cada uma das causas subjacentes.

medico_ortopedia.png