Rastreio do cancro do pulmão

Rastreio do cancro do pulmao

Importância do rastreio do cancro do pulmão

Em Portugal, os tumores malignos são a segunda causa de morte a seguir às doenças do aparelho circulatória.

Atualmente a mortalidade por doenças malignas representa 25% de todas as causas de morte em Portugal, com tendência a aumentar. Em 2017, as doenças do aparelho respiratório foram a terceira causa de morte com 11,6% da mortalidade total.

No conjunto dos tumores malignos, destacam-se as mortes provocadas por tumores do pulmão, representando 3.8% do total, logo seguidos pelas causadas por tumores malignos do cólon, reto e ânus com 3,5%.

Este paradigma da elevada mortalidade apenas se corrige reduzindo o tabagismo e diagnosticando o cancro do pulmão num estádio inicial - quando as hipóteses de cura são elevadas. Quando os sinais e sintomas do cancro do pulmão aparecem, o cancro está geralmente muito avançado para o tratamento curativo. Ensaios clínicos demonstram que o rastreio reduz o risco de morrer de cancro de pulmão.

O que é o rastreio do cancro do pulmão?

O rastreio do Cancro do Pulmão é um processo usado para detetar cancro do pulmão em pessoas saudáveis. O rastreio é recomendado nas pessoas com alto risco de contrair a doença: - adultos mais velhos que são fumadores de longa data e que não apresentam quaisquer sinais ou sintomas de cancro de pulmão.

Os Médicos Pneumologistas usam uma tomografia computadorizada de baixa dose pulmonar (TAC BD) para procurar cancro de pulmão. Se o detetarmos num estádio inicial, a probabilidade de cura é muito maior.

Deve falar com o seu Pneumologista sobre os benefícios e os riscos do rastreio do Cancro do Pulmão com TAC de baixa dose, de modo a saber se o rastreio é adequado para si.

Quem é elegível para o rastreio?

O rastreio do Cancro do Pulmão está indicado nas pessoas com maior risco de contrair a doença:

1. Adultos com mais de 55 anos, fumadores ou ex-fumadores. Podem considerar-se para rastreio do Cancro do Pulmão os indivíduos com antecedentes de tabagismo de 30 unidades maço-ano ou mais. As unidades maço-ano são calculados multiplicando-se o número de maços de cigarros fumados por dia pelo número de anos de fumador. Por exemplo, uma pessoa com história de tabagismo de 30 unidades maço-ano, pode ter fumado um maço por dia durante 30 anos, dois maços por dia durante 15 anos ou três quartos de um maço por dia durante 40 anos. Mesmo que os hábitos tabágicos tenham mudado ao longo dos anos, a memória do individuo sobre seu tabagismo pode ser usada para determinar se o rastreio do Cancro do Pulmão pode ser benéfico nesse caso.

2. Pessoas que já fumaram muito, mas pararam. Se foi um fumador inveterado durante muito tempo e deixou de fumar, deve considerar o rastreio do cancro de pulmão.

3. Pessoas com boa saúde e bom estado geral. Quem tem problemas de saúde graves, pode ter menos probabilidade de beneficiar do rastreio do Cancro do Pulmão e mais probabilidade de ter complicações com os exames de acompanhamento. Por esse motivo, o rastreio do Cancro do Pulmão está indicado em pessoas com bom estado geral de saúde. O rastreio geralmente não é recomendado a pessoas com insuficiência respiratória ou outras doenças graves que tornariam a cirurgia difícil ou impraticável.

4. Pessoas com histórico de cancro de pulmão. Se foi submetido a tratamento para Cancro do Pulmão há mais de cinco anos, pode ser considerado para rastreio do cancro de pulmão.

5. Pessoas com outros fatores de risco de cancro de pulmão podem incluir aqueles com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), aqueles com histórico familiar de Cancro do Pulmão e aqueles que foram expostos ao amianto no trabalho.

Durante quanto tempo se deve realizar o rastreio?

Nem todas as sociedades médicas concordam com a idade a que se deve considerar a interrupção do rastreio.

De uma forma geral, continua-se o rastreio anual do cancro do pulmão até chegar a um ponto em que o individuo dificilmente beneficiará do rastreio, como quando desenvolve outros problemas de saúde graves que o podem tornar muito frágil para ser submetido a um tratamento para o cancro de pulmão.

Riscos do rastreio do cancro de pulmão

O rastreio do Cancro do Pulmão apresenta vários riscos, a saber:

1. Exposição a um baixo nível de radiação. A quantidade de radiação à qual se está exposto durante um TAC de baixa dose é muito menor do que a de uma TAC normal. É igual a cerca de metade da radiação à qual se está exposto naturalmente no meio ambiente durante um ano.

2. Necessidade de realizar mais exames auxiliares de diagnóstico. Se o TAC de baixa dose mostrar um nódulo suspeito, vão ser necessários exames adicionais, que vão expor o individuo a mais radiação, ou exames invasivos, como uma biópsia, que apresentam riscos graves. Se esses exames adicionais não demonstrarem cancro de pulmão, o individuo pode ter sido exposto a riscos graves que teria evitado se não fizesse o rastreio.

3. Diagnosticar cancro avançado demais para ser curado. Os cancros de pulmão em estádios avançados, como os já metastizados, podem não responder bem ao tratamento, portanto, descobrir esses cancros em rastreio pode não melhorar ou prolongar a vida do doente.

4. Encontrar um cancro que talvez nunca faça mal ao doente. Alguns cancros de pulmão crescem lentamente e podem nunca causar sintomas ou doença grave. É difícil saber quais cancros nunca crescerão para prejudicá-lo e quais devem ser removidos rapidamente para evitar danos. Se houver diagnóstico de cancro de pulmão, provavelmente o Pneumologista recomendará o tratamento. O tratamento dos cancros que permaneceriam pequenos e confinados toda a vida podem não ajudar o doente e podem ser desnecessários.

5. Cancros ausentes. É possível que o Cancro do Pulmão não seja detetado no teste de rastreio de cancro de pulmão. Nesses casos, os resultados podem indicar que não tem cancro de pulmão, quando na verdade tem.

6. Encontrando outros problemas de saúde. Pessoas que fumam durante muito tempo têm um risco aumentado de outros problemas de saúde, incluindo doenças pulmonares difusas e doenças cardíacas que podem ser detetadas na TAC de pulmão. Se o pneumologista encontrar outro problema de saúde, poderá necessitar mais exames e, possivelmente, tratamentos invasivos que não teriam sido realizados se não tivesse feito o rastreio do cancro de pulmão.

Preparação para a TAC de Baixa dose

Informe o pneumologista se tiver uma infeção do trato respiratório. Se atualmente tem sinais e sintomas de infeção do trato respiratório ou se recuperou recentemente de uma infeção, o seu médico pode recomendar o adiamento do exame até um mês após o desaparecimento dos sinais e sintomas. As infeções respiratórias podem causar alterações nas tomografias que podem exigir exames adicionais para investigação. Esses testes adicionais podem ser evitados aguardando a resolução da infeção.

Remova qualquer metal que estiver a usar. Os metais podem interferir na imagem. Assim, deve remover qualquer metal que esteja a usar: joias, óculos, aparelhos auditivos e próteses dentárias.

Use roupas que não tenham botões de metal ou botões de pressão. Não use sutiã com armação.

O que pode esperar do exame?

Durante a realização de um TAC pulmonar de baixa dose, o doente deita-se de costas sobre uma mesa comprida e coloca a cabeça sobre uma almofada para ficar mais confortável.

O técnico que executa o exame está posicionado numa sala separada, onde pode observar e falar com o doente.

Deverá ficar imóvel enquanto a mesa desliza pelo centro de uma máquina (tomografia computorizada – CT) que cria as imagens pulmonares.

Quando a máquina estiver pronta para iniciar o exame, pode lhe ser pedido que suspenda a respiração por alguns instantes para criar uma imagem nítida dos pulmões. A mesa mover-se-á rapidamente pela máquina à medida que as imagens são criadas.

Resultados do exame

Exemplos de resultados de rastreio de Cancro do Pulmão incluem:

Nenhuma anormalidade detetada. Se nenhuma anormalidade for descoberta no teste de rastreio de cancro de pulmão, o pneumologista pode recomendar que faça outro exame após um ano. Pode considerar a continuação dos exames anuais até aos 80 anos ou até que você e seu médico determinem que é improvável que eles ofereçam um benefício, devido a outros problemas de saúde significativos que possam existir.

Nódulos pulmonares. O Cancro do Pulmão pode aparecer como uma pequena mancha nos pulmões. Infelizmente, muitas outras doenças pulmonares parecem iguais, incluindo cicatrizes de infeções pulmonares e crescimentos não cancerosos (benignos). Nos ensaios clínicos, até metade das pessoas submetidas ao rastreio do Cancro do Pulmão têm um ou mais nódulos detetados em um TAC BD.

A maioria dos pequenos nódulos não requer ação imediata e será monitorizado no seu próximo exame anual de cancro de pulmão. Em algumas situações, os resultados podem sugerir a necessidade de outra tomografia computadorizada de pulmão em alguns meses para ver se o nódulo pulmonar cresceu. Nódulos em crescimento têm maior probabilidade de ser cancerígenos.

Um grande nódulo tem maior probabilidade de ser canceroso. Por esse motivo, podem ser necessários exames adicionais, como uma biópsia para remover um pedaço de um grande nódulo para exames laboratoriais ou para exames de imagem adicionais, como uma tomografia por emissão de positrões (PET) scan.

Outros problemas de saúde. O teste de rastreio de Cancro do Pulmão pode detetar outros problemas pulmonares e cardíacos comuns em fumadores, como enfisema pulmonar e calcificações das artérias cardíacas.

Clínica de Pneumologia