Embolia pulmonar

Embolia pulmonar

O que é embolia pulmonar?

A embolia pulmonar ou tromboembolismo pulmonar é a obstrução de uma das artérias pulmonares, impedindo desta forma a normal circulação sanguínea. 

Uma artéria é um vaso que permite transportar o sangue até aos órgãos. Quando ocorre uma obstrução (a artéria fica “entupida”), o sangue não pode circular normalmente, logo não chega convenientemente aos órgãos afetados. As porções de pulmão irrigadas por cada artéria bloqueada não são vascularizadas e podem morrer (infarto pulmonar). Assim, torna-se mais difícil os pulmões cumprirem a sua função (fornecer oxigénio ao resto do corpo) originado um quadro clínico que pode ser fatal (pode matar).Contudo, o tratamento imediato reduz o risco de morte. Veja mais informação em tratamento da embolia pulmonar.

Na maioria dos casos, a embolia pulmonar é provocada por coágulos sanguíneos que se formam nos membros inferiores (nas pernas) e migram para os pulmões. No entanto, esses coágulos podem, mais raramente, provir de outras partes do corpo.

Neste sentido, as medidas preventivas de modo a evitar que se formem coágulos sanguíneos nos membros inferiores são muito importantes para prevenir o tromboembolismo pulmonar. Veja mais informação em tratamento e medidas preventivas.

Embolia pulmonar - sintomas

Os sintomas de embolia pulmonar podem variar bastante, dependendo da quantidade de pulmão afetado, do tamanho da dimensão dos coágulos sanguíneos e da existência de uma possível doença pulmonar ou cardíaca subjacente.

Os sinais e sintomas mais frequentes no tromboembolismo pulmonar são:

  • Falta de ar - este sintoma surge subitamente e piora com os esforços;
  • Dor torácica (dor nas costas) - a dor pode ser semelhante a um enfarte (ataque cardíaco). As dores agravam quando se respira profundamente (pleuresia). A dor agrava com o esforço, mas não desaparece mesmo em repouso;
  • Tosse - a tosse pode ser com expetoração hemoptoica (hemoptises).

Apesar de menos frequentes que os anteriores, podem surgir outros sinais e sintomas, a saber:

  • Dor nas pernas ou edema (inchaço);
  • Cianose;
  • Febre;
  • Sudorese (suor abundante);
  • Batimentos cardíacos (do coração) rápidos ou irregulares;
  • Tonturas.

Embolia pulmonar - causas

Como vimos anteriormente, a embolia pulmonar surge como uma obstrução de uma das artérias pulmonares, impossibilitando desta forma a normal circulação sanguínea.

Na maioria das vezes, é um coágulo sanguíneo, que provém dos membros inferiores (pernas) que obstrói a artéria. Habitualmente, estes coágulos sanguíneos provêm das veias profundas das pernas devido à trombose venosa profunda (TVP).

Saiba, aqui, tudo sobre trombose venosa profunda.

Ocasionalmente, as obstruções são causadas por outras substâncias, tais como:

  • Gordura da medula de um osso longo fraturado;
  • Colagénio ou outro tecido;
  • Parte de um tumor em certos tipos de cancro;
  • Bolhas de ar.

Embora qualquer pessoa possa desenvolver coágulos de sangue que originem a embolia pulmonar, certos fatores podem aumentar o risco. Ou seja, podemos identificar alguns fatores de risco para a embolia pulmonar.

Existem alterações hereditárias (genéticas) que afetam o sangue, tornando-o mais propenso a coagular. Se existirem membros da família com coágulos sanguíneos venosos ou embolia pulmonar no passado poderá existir um risco mais elevado nesse indivíduo.

Além disso, algumas atitudes, patologias (doenças) e tratamentos aumentam o risco de tromboembolismo pulmonar:

  • Ser fumador - o tabagismo predispõe a formação de coágulos sanguíneos, especialmente quando associados a outros fatores de risco;
  • Repouso / Sedentarismo- Estar imobilizado (parado) por longos períodos de tempo na cama devido a doença, etc.;
  • Após cirurgia - No pós operatório (após uma cirurgia ou operação) é outro exemplo que o torna mais vulnerável;
  • Gravidez - o peso do bebé pressionando as veias na pelve pode retardar o retorno do sangue dos membros inferiores;
  • Viagens longas – sentado, numa mesma posição apertada, durante longas viagens de avião ou carro torna o fluxo de sangue nas pernas mais lento, o que contribui para a formação de coágulos. Este fenómeno é conhecido, no caso da aviação como "síndrome da classe económica" ou " síndrome da classe turística";
  • Obesidade - o excesso de peso aumenta o risco de formação de coágulos sanguíneos;
  • Estrogênio suplementar - o estrogênio nas pílulas anticoncepcionais (pilulas usadas para evitar a gravidez) e nas terapias hormonais podem aumentar os fatores de coagulação no sangue, especialmente em doentes fumadores e obesos.

Alguns destes fatores de risco podem ser prevenidos. Veja mais informação em medidas preventivas.

Embolia pulmonar - diagnóstico

A embolia pulmonar pode ter um diagnóstico difícil, especialmente quando está associada uma doença cardíaca ou pulmonar. Daí que, por vezes, se torne necessário realizar alguns exames:

  • Análises de sangue - O seu médico pneumologista pode solicitar D-dímeros (metabolito dissolvente de coágulos). Níveis elevados sugerem um aumento na probabilidade de coágulos sanguíneos, embora outros fatores também possam elevar os níveis de D-dímeros. É importante a medição da quantidade de oxigénio e dióxido de carbono no sangue. Quando se dá a oclusão de um vaso sanguíneo pulmonar, pode diminuir o nível de oxigénio no sangue. Além disso, exames de sangue podem ser feitos para determinar se existe uma doença hereditária de coagulação.
  • Radiografia (RX) do tórax - Este exame não invasivo mostra imagens do seu coração e dos pulmões. Embora as radiografias não possam diagnosticar embolia pulmonar e possam até parecer normais, são úteis para descartar outras situações que mimetizam a doença. Saiba, aqui, o que é RX do tórax.
  • Ecografia - Um exame não invasivo conhecido como ultrassonografia, usa ondas sonoras para verificar se há coágulos sanguíneos nas veias da coxa.
    A ausência de coágulos reduz a probabilidade de trombose venosa profunda. Se os vasos da parte superior da coxa estiverem limpos, a ultrassonografia também examinará as veias atrás do joelho, procurando coágulos residuais. Saiba, aqui, o que é ecografia.
  • Angio-TAC - Este tipo de tomografia computadorizada pode detetar anomalias nas artérias dos seus pulmões com uma precisão muito maior do que a tomografia computadorizada (TAC) convencional. Em alguns casos, o material de contraste é administrado por via intravenosa durante a tomografia computadorizada para delinear as artérias pulmonares.
  • Angiografia pulmonar - Este teste fornece uma imagem clara do fluxo sanguíneo nas artérias dos pulmões. É a maneira mais precisa de diagnosticar a embolia pulmonar, mas, como requer um alto grau de habilidade para administrar e apresenta riscos potencialmente graves, ela é realizada apenas quando outros testes não fornecem um diagnóstico definitivo. Num angiograma pulmonar, um tubo flexível (cateter) é inserido através de uma veia grande - geralmente na virilha - e inserido no coração e nas artérias pulmonares. Um corante especial é, então, injetado no cateter, e os raios X são feitos à medida que o corante percorre as artérias pulmonares.
  • Ressonância magnética - A ressonância magnética (RM) usa ondas de rádio e um poderoso campo magnético para produzir imagens detalhadas de estruturas internas do corpo humano. A ressonância magnética é particularmente útil nas mulheres grávidas (para evitar a radiação para o feto) e em pessoas cujos rins podem ser prejudicados pelos contrastes utilizados noutros testes.
    Saiba, aqui, o que é ressonância magnética.

Embolia pulmonar - complicações

A embolia pulmonar pode ser fatal (levar à morte). Cerca de um terço (33%) das pessoas que desenvolvem uma embolia pulmonar não diagnosticada e que não é tratada não sobrevivem. Contudo, quando o tromboembolismo pulmonar é diagnosticado e tratado prontamente e de forma eficaz, esse número reduz drasticamente.

A embolia pulmonar também pode desencadear a hipertensão pulmonar, uma patologia em que a pressão arterial nos pulmões e no lado direito do coração é bastante elevada. Quando existem obstruções nas artérias dos pulmões, o coração entra em esforço para vencer a resistência da passagem do sangue. Por isso, aumenta a pressão arterial dentro dos vasos, o coração faz mais esforço, o que pode conduzir ao enfraquecimento do coração (insuficiência cardíaca). Poder-se-á considerar uma sequela.

Em casos raros, os pequenos êmbolos ocorrem frequentemente e desenvolvem-se ao longo do tempo, resultando em hipertensão pulmonar crónica, também conhecida como hipertensão pulmonar tromboembólica crónica.

Embolia pulmonar tem cura?

O prognóstico da embolia pulmonar depende da gravidade e do tamanho do coagulo sanguíneo. Quando o tromboembolismo é diagnosticado e tratado rapidamente e de forma eficaz o prognóstico melhora substancialmente.

Embolia pulmonar - tratamento

O tratamento visa evitar que o coágulo sanguíneo fique maior e impedir a formação de novos coágulos. O tratamento imediato é essencial para evitar complicações graves e morte.

Medicamentos (ou remédios) - Os anticoagulantes impedem a formação de novos coágulos enquanto o organismo dissolve os coágulos. A heparina é um anticoagulante frequentemente usado que pode ser administrado através da veia ou injetado sob a pele. Os anticoagulantes atuam de forma rápida e frequentemente associam-se durante vários dias com um anticoagulante oral, como a varfarina, até que se torne eficaz, o que pode levar dias. Uma nova classe de anticoagulantes, chamada de anticoagulantes orais, foi testada e aprovada para tratamento de tromboembolismo venoso, incluindo embolia pulmonar. Esses medicamentos funcionam rapidamente e têm menos interações com outros medicamentos. Alguns anticoagulantes orais têm a vantagem de poderem ser administrados por via oral, sem a necessidade de se associarem à heparina. No entanto, todos os anticoagulantes têm efeitos colaterais, sendo as hemorragias o mais comum.

TROMBOLÍTICOS - Embora os coágulos geralmente se dissolvam sozinhos, existem medicamentos administrados através da veia que podem dissolver os coágulos rapidamente. Estes medicamentos podem causar hemorragia súbita e grave. Por esse motivo são reservados para situações de risco de vida.

Procedimentos cirúrgicos - Quando o coágulo no pulmão é muito grande e potencialmente fatal, o seu médico pode propor a sua remoção por meio de um tubo fino e flexível (cateter) inserido nos vasos sanguíneos. Um cateter também pode ser usado para posicionar um filtro na veia principal do corpo - chamada de veia cava inferior - que leva sangue dos membros inferiores para o lado direito do coração. Este filtro pode ajudar a impedir a entrada de coágulos nos pulmões. Este procedimento é normalmente reservado para pessoas que não podem tomar medicamentos anticoagulantes ou quando os anticoagulantes não funcionam bem ou rapidamente.

Embolia pulmonar - prevenção

A prevenção de coágulos nas veias profundas nas pernas (trombose venosa profunda) é uma importante forma de prevenir a embolia pulmonar. Por esta razão, é muito importante adotar medidas que nos permitam prevenir a formação de coágulos sanguíneos, nomeadamente:

  • Não fume – Como vimos, o tabaco predispõe a formação de coágulos sanguíneos;
  • Dieta alimentar - faça uma alimentação rica e equilibrada, evitando alimentos potencialmente nefastos para a sua saúde, que provoquem um aumento do colesterol, entre outros;
  • Reduza o peso – reduza o peso se for caso disso, como vimos a obesidade é um fator de risco para a formação de coágulos sanguíneos;
  • Cuidado nas viagens longas – não permaneça muito tempo sentado e na mesma posição. Faça pequenas pausas, levante-se e caminhe um pouco com alguma regularidade, etc.;
  • Medicação anticoagulante – os anticoagulantes são medicamentos que podem ser prescritos pelo seu Médico e que são administrados a doentes de risco de formação de coágulos, ou seja, ajudam a prevenir a formação de coágulos sanguíneos. Esta medicação é entre outros, administrada a todos os doentes antes e depois de uma cirurgia (operação), doentes internadas no hospital por longos períodos de tempo, doentes com problemas cardíacos, doentes após acidente vascular cerebral (AVC), doentes com complicações de cancro, doentes acamados, etc.;
  • Meias de compressão – certo tipo de doentes podem beneficiar com o uso de meias elásticas que permitem comprimir as pernas de forma constante, ajudando as veias e músculos a mover o sangue de forma mais eficiente. As meias elásticas oferecem uma maneira segura, simples e barata de prevenção;
  • Elevação das pernas. Elevar as pernas sempre que possível e durante a noite também pode ser muito eficaz;
  • Evitar o sedentarismo / atividade física. O movimento pode ajudar a prevenir a formação de coágulos, entre muitas outras vantagens;
  • Vigie a sua gravidez – as mulheres grávidas devem realizar sempre consultas de acompanhamento periódicas;
  • Uso de estrogênio suplementar – nunca tome pílulas anticoncepcionais sem consentimento do seu médico. Como vimos, as pílulas podem aumentar os fatores de coagulação no sangue.

Por fim, relembramos que a embolia pulmonar pode ser fatal. Procure atendimento médico imediato se começar a sentir falta de ar inexplicada, dor torácica ou tosse com expetoração com sangue (hemoptises).

clinica de pneumologia.png