Radiografia do tórax

Fotos de RX do tórax

O que é uma radiografia do tórax?

Uma radiografia do tórax ou Raio X (RX) do tórax é um exame que serve para auxiliar o médico no diagnóstico ou avaliação da reposta aos tratamentos em várias patologias (doenças), como por exemplo a pneumonia, tuberculose, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), fraturas, entre outros. O tórax é a região anatómica situada entre a região do pescoço (cervical) e o abdómen, sendo separada desta última pelo diafragma (músculo interno) e vulgarmente conhecida como a região do “peito”.

A radiografia é uma técnica usada na medicina há muitos anos, sendo um método de diagnóstico de 1ª linha em termos de avaliação da anatomia humana. A imagem que o aparelho de raio X produz tem por base um princípio primário da relação entre os raios que são irradiados (produzidos por um feixe de energia) e os raios recebidos (num detetor ou película), após penetrarem determinado material. Mediante a densidade das estruturas, assim é formada a imagem. A interpretação do exame é realizada tendo por base a imagem formada, entre aquilo que é considerado normal e o que é patológico.

Na radiografia do tórax, os ossos (costelas, vértebras da coluna, …) surgem a branco (os ossos são mais densos), por sua vez os pulmões, como estão preenchidos essencialmente por ar, aparecem mais escuros. Veja imagens de uma radiografia de tórax normal.

Os raios X podem ser usados para além do tórax em muitas outras regiões anatómicas (abdómen, coluna, ombro, bacia, joelho, pé, etc.).

Saiba, aqui, tudo sobre os exames de raios X.

Incidências do Raio X de tórax

Na radiografia do tórax pode ser usada apenas uma incidência, sendo habitualmente realizada a incidência PA – (postero-anterior), ou seja, os raios X incidem nas costas do paciente e a pelicula está situada à frente deste.

A incidência AP (antero-posterior) é utilizada em situações especiais, quando não é possivel realizar a incidência PA (doentes acamados ou que não se conseguem manter em pé), e capta a imagem “de frente” para o tórax (veja imagens).

A incidência Lateral ou Perfil é a que nos permite observar o tórax lateralmente (“de lado”).

Habitualmente, a radiografia de tórax 2 incidências refere-se à realização das duas incidências descritas (incidência PA e incidência Lateral ou Perfil, geralmente o esquerdo).

Para além destas duas mais usadas, apesar de menos frequentes, poderemos usar outras incidências especiais (PA em decúbito dorsal, decúbito lateral, lordótica, oblíqua anterior e oblíqua posterior).

Indicações da radiografia do tórax

As principais estruturas anatómicas avaliadas no radiograma do tórax são os pulmões, o mediastino (que incluiu as estruturas constituintes como o coração e os grandes vasos) e o esqueleto da caixa torácica.

O exame possui indicação quando existem os seguintes sinais e sintomas respiratórios: tosse, dificuldade respiratória (dificuldade a respirar), dor torácica (dor no peito), mas também no caso de trauma, estudos pré-operatórios - avaliação prévia à cirurgia (operação), assim com suspeita de doença cardíaca.

Como principais patologias (doenças), poderemos referir: patologia pulmonar como pneumonia, tuberculose, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), pneumotórax, derrame pleural, cancro dos pulmões; patologia cardíaca, sobretudo associada a cardiomegalia e patologia da caixa torácica (sobretudo referente ao esqueleto).

clinica_imagiologia.png

Como é feita a radiografia do tórax?

A radiografia é realizada por um técnico de radiologia a quem cabe executar as incidências mais ajustadas à região do corpo em estudo, de acordo com a informação clínica facultada pelo médico requisitante.

Posicionamento do doente

O exame do tórax é geralmente realizado em pé, exceto se não for possível para o doente (doentes acamados, acidentados, etc.).

Respiração

Para a realização do estudo é geralmente necessária inspiração profunda (encher o peito de ar e aguentar). Em alguns casos pode ser necessário realizar o exame em expiração.

O técnico após o posicionamento do doente deverá elucida-lo acerca do que lhe vai ser pedido aquando da realização do disparo.

De salientar, que é fundamental que o paciente permaneça quieto no momento do disparo (captura da imagem).

Resultados do exame

Após o disparo (captura da imagem), o técnico de radiologia fará uma análise crítica da imagem capturada (qualidade da imagem, etc.). Se a imagem capturada possuir a qualidade necessária para efetuar o diagnóstico, o exame será dado por concluído.

Na atualidade, as imagens são armazenadas em sistemas PACS, podendo ser distribuídas por redes de dados (Internet) aos médicos requisitantes, ou então, em DVD, ou outros meios digitais. A impressão em pelicula ou outros formatos está em desuso, no entanto, estes meios continuam a ser usados pontualmente por algumas clínicas / médicos.

Quem pode realizar o exame?

Os exames de radiografia do tórax podem ser realizados por qualquer pessoa, contudo, deve haver por parte do médico prescritor um cuidado adicional no caso das crianças e grávidas ou mulheres que suspeitem de gravidez.

Como existe exposição a uma radiação ionizante o médico deve calcular a relação risco / benefício do exame antes de prescrever o exame.

A repetição de exames num curto espaço de tempo deve também levar em consideração os riscos da radiação, conforme discutiremos de seguida.

clinica_imagiologia.png

Riscos da radiação

Existe uma grande preocupação com a quantidade de radiação recebida através de meios de diagnóstico e terapêuticos, nomeadamente os Raios X. Por vezes, essa preocupação é exagerada, pese embora os factos que a seguir descrevemos.

De facto, sabemos que a acumulação de exposição à radiação pode causar alterações na divisão e crescimentos das células do corpo, originando algumas doenças, como o cancro.

Para prevenir, estão definidos limites de exposição à radiação. Estes limites servem para garantir que ninguém seja sujeito a uma dose que cause qualquer tipo de dano para a saúde.

A exposição média anual à radiação natural é de 2,4mSv. A dose de radiação de uma radiografia depende da zona do corpo em análise. Na radiografia do tórax é em média 0,01mSv que equivale a 10 dias de exposição à radiação natural.

Pese embora estes factos, o médico avalia sempre o risco / benefício de realização e repetição de exames que sujeitem os doentes a radiação.

Quanto tempo demora o exame?

A radiografia do tórax é um exame de realização rápida e indolor (não causa dor).

A duração do exame varia mediante o número de incidências a realizar. Poderemos afirmar, que o tempo médio total (retirar objetos, posicionar o doente, realizar disparo, …) para a sua execução é de sensivelmente 5 minutos, apesar do disparo e aquisição da imagem demorar apenas uns segundos.

Preparação para o exame

Para a realização da radiografia do tórax é apenas necessário que antes do exame o paciente retire o vestuário e restantes objetos suscetíveis de originar alteração da imagem, não existindo portanto qualquer preparação prévia especial para a realização de uma radiografia.

Não é necessário cumprir qualquer tipo de jejum, podendo o paciente tomar a medicação habitual.

Limitações da radiografia do tórax

As radiografias são essenciais na avaliação inicial da patologia pulmonar, contudo não permitem uma avaliação detalhada do parênquima pulmonar, podendo ser necessário outros exames para melhor caracterização como a Tomografia computorizada.

A tomografia computorizada (TC ou TAC) é outro exame de diagnóstico que possibilita examinar as estruturas com maior pormenor. Por exemplo, quando é detetada uma alteração suspeita no radiograma do tórax, mas o exame não é suficientemente esclarecedor. Neste caso a TAC é o exame mais indicado.

Saiba, aqui, tudo sobre TC de tórax.

O mesmo acontece com a patologia do mediastino, nomeadamente cardíaca podendo ser necessária a realização de ecocardiograma, TC ou RM cardíaca, entre outros.

No caso da patologia osteoarticular, nomeadamente quando existe trauma associado, ou seja, quando há suspeita de fratura (“osso partido”) ou luxação (“ossos fora do sítio”) o exame pode ser suficiente, mas quando a suspeita se dá ao nível das estruturas mais superficiais (partes moles), músculos ou tendões a ecografia é o exame inicial aconselhado.

Saiba, aqui, tudo sobre ecografia.

A ressonância magnética (RM) é outro exame de diagnóstico, mais dispendioso, porém com excelente acuidade diagnóstica, podendo ser bastante útil na avaliação e diagnóstico de inúmeras patologias.

Saiba, aqui, tudo sobre ressonância magnética (RM).

Para além da ecografia, TAC e RM, outros exames podem ser relevantes para complementar a observação imagiológica.

Saiba, aqui, tudo sobre exames de imagiologia.

Quanto custa um RX de tórax?

Geralmente, as radiografias são um exame mais económico se comparadas com outras técnicas imagiológicas como a ecografia, TAC e RM.

Caso o exame seja realizado a título particular, o valor é estabelecido pela clínica de radiologia que o efetua. Para os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) os exames de RX são comparticipados pelo estado, cabendo ao utente apenas o pagamento de uma taxa moderadora, caso não exista isenção. O custo da taxa moderadora é fixado em portaria.

Veja mais informação sobre onde fazer o exame de radiografia (RX) de tórax e preços selecionando o seu concelho.

clinica_imagiologia.png