Raio X do Joelho

Fotos de RX do joelho

O que é RX do joelho?

Um Raio X (RX) do joelho é um exame de diagnóstico por imagem que permite avaliar a rótula, o fémur distal, a tíbia proximal e o perónio proximal. É um exame de primeira linha na avaliação do joelho, usado maioritariamente nos casos em que ocorre dor nesta articulação que persiste no tempo.

A dor no joelho é das mais frequentes no corpo humano. Atinge tanto idosos, tendo nestes geralmente origem degenerativa, como pessoas jovens geralmente devido a lesões traumáticas ou problemas de alinhamento da rótula (os chamados síndromes rotulianos). O RX de joelho é um exame de primeira linha, dada a sua facilidade de execução, disponibilidade e baixo custo. Para além da dor no joelho, outros sinais e sintomas podem desencadear a realização do exame (veja quais em indicações do RX do joelho).

O RX do joelho é, habitualmente, efetuado de forma unilateral (ao joelho esquerdo ou direito). Porém, o exame poderá ser requisitado de forma bilateral (aos dois joelhos), registando-se, no entanto, duas radiografias distintas.

clinica_imagiologia.png

Incidências no RX do joelho

Cada incidência no RX do joelho corresponde a um disparo (uma imagem) obtida de determinado ângulo e em determinadas condições, de modo a permitir o diagnóstico. A incidência PA – (postero-anterior – “com o joelho de frente”), a incidência Lateral ou de Perfil (“imagem com joelho de lado”), estão entre as mais frequentemente realizadas. A referência a RX do joelho – 2 incidências, refere-se por norma às duas anteriormente referidas (AP + perfil).

Indicações do RX do joelho

O RX do joelho é um exame que serve para auxiliar o Médico no diagnóstico de diversas patologias (ou doenças). O RX do joelho está indicado em casos de dor no joelho, traumas, instabilidades (“o joelho falha”), défices de extensão, deformidades, entre outros sinais e sintomas.

São alguns exemplos de patologias (doenças) que desencadeiam o pedido do exame: Gonartrose (artrose do joelho), Fraturas, Luxações, Tumores ósseos, Doença de Osgood-Schlatter, entre outras.

O RX do joelho possui algumas limitações quando comparado com outros métodos de diagnóstico, nomeadamente com a tomografia computorizada (TC) do joelho ou com a ressonância magnética (RM) do joelho. Mesmo, assim possibilita o diagnóstico em diversos contextos clínicos. Dando como exemplo a artrose do joelho, que está entre as patologias degenerativas mais frequentes, o diagnóstico é feito através da realização de radiografias do joelho em carga (RX face e perfil) bem como incidências axiais para a rótula. Contudo, a TC e a RM, para além de uma adequada avaliação do desgaste da cartilagem, possibilitam também a pesquisa de outras lesões associadas, sobretudo lesões meniscais e ligamentares. Veja mais informação em “outros exames do joelho”.

Como é feito o raio-X?

Após posicionamento do doente de acordo com as incidências a realizar, o técnico procede à aquisição da imagem, hoje em dia, de forma mais frequente em formato digital e num standard internacional designado por DICOM. De seguida, o Técnico verifica a qualidade da imagem obtida, ou seja, se a imagem satisfaz os critérios para realizar o diagnóstico.

Após a validação das imagens pelo técnico, o exame é arquivado (guardado em arquivos digitais). Posteriormente, cabe ao Médico Radiologista a realização da leitura diagnóstica da radiografia e redação do relatório (escrito). Os resultados do exame são facultados ao Médico requisitante e doente em formato digital e/ou papel, compondo-se pela imagem radiográfica e pelo relatório do exame.

Se o Médico Radiologista não notar alterações, o exame será considerado normal. Na presença de alterações radiográficas dignas de registo, o Médico Radiologista relata-as, devendo estas ser relacionadas com a história clínica e demais exames. Em alguns casos, o exame pode tornar-se inconclusivo, podendo levar à realização de exames adicionais (TC, RM, etc.).

Quem pode realizar o exame?

O raio-X do joelho pode ser efetuado por qualquer pessoa de qualquer idade e sexo. Existe por parte do Médico prescritor, um cuidado especial com crianças e grávidas ou mulheres que suspeitem de gravidez. Nestes casos, como há exposição a uma radiação ionizante, o Médico deve calcular a relação risco/benefício do exame.

Quanto tempo demora o exame?

A duração do exame varia mediante o número de incidências a efetuar. Geralmente, os exames constam de duas incidências e o tempo médio para a sua execução é de sensivelmente 5 a 10 minutos.

Depois de capturada a imagem e arquivada, os exames terão de ser relatados, sendo este tempo bastante variável e que depende da premência do exame.

Preparação para o RX?

Não existe necessidade de realizar qualquer preparação prévia para a realização de uma radiografia do joelho. O paciente deverá apenas retirar todos os objetos passíveis de produzir deformações na imagem.

Não é necessário cumprir qualquer tipo de jejum, podendo o doente comer e beber como habitualmente. O paciente pode tomar a medicação habitual.

Outros exames do joelho

As radiografias são extremamente importantes na avaliação osteoarticular, particularmente quando existe trauma relacionado, isto é, quando existe suspeita de fratura ou luxação. São também usadas frequentemente no diagnóstico de processos degenerativos por desgaste na cartilagem do joelho (artrose), entre outras patologias.

Todavia, quando a suspeita se verifica ao nível dos músculos ou tendões a ecografia é o exame de primeira linha. Este método diagnóstico utiliza os ultrassons para a avaliação das estruturas, sendo caraterizado pelo seu baixo custo, disponibilidade e facilidade de execução.

Saiba, aqui, tudo sobre ecografia.

A tomografia computorizada (TC ou TAC) é outro exame de diagnóstico que possibilita analisar as estruturas com maior minúcia. Por exemplo, se no do RX do joelho for identificada uma alteração, mas o exame não é suficientemente esclarecedor, a TC pode ser usada para melhor clarificar o quadro clínico.

Saiba, aqui, tudo sobre TC do joelho.

A ressonância magnética (RM) do joelho é um outro exame com excelente acuidade no diagnóstico, que apesar de mais caro pode ser bastante vantajoso na avaliação de diversas patologias. A ressonância magnética (RM), ao contrário da radiografia (RX) e da tomografia computorizada (TC ou TAC), não emprega radiação ionizante. A RM opera com um campo magnético intenso e ondas de rádio para criar imagens detalhadas dos diferenciados órgãos e sistemas do corpo humano, neste caso do joelho.

Saiba, aqui, tudo sobre RM do joelho.

Para além da ecografia, TC e RM, outros exames podem ser relevantes para complementar o exame imagiológico. Veja mais informação em exames de imagiologia.

Quanto custa uma radiografia?

Geralmente, os Raios X são mais baratos quando comparados com as demais técnicas imagiológicas. Para os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), os exames radiológicos são comparticipados pelo estado (em meio hospitalar e nos cuidados de saúde primários). Neste caso, cabe ao utente o pagamento de uma taxa moderadora, caso não exista isenção. O custo da taxa moderadora é fixado em portaria. As taxas moderadoras variam entre alguns cêntimos e poucos euros de acordo com o número de incidências a realizar.

O preço do exame quando realizado a título particular (se o doente suporta todo o custo) é determinado pela clínica de radiologia que o executa, sendo mesmo assim, um exame não muito oneroso, principalmente quando comparado com outras técnicas como a TC e a RM.

Veja mais detalhes sobre custos e onde fazer o RX do joelho, selecionando o seu concelho de residência.

clinica_imagiologia.png