Transplante de córnea

Transplante de córnea, fotos, imagens

O que é transplante de córnea?

O transplante de córnea é um procedimento cirúrgico no qual a córnea doente ou danificada é substituída por outra córnea de um dador, na sua totalidade (ceratoplastia penetrante) ou parte dela (ceratoplastia lamelar). Veja mais informação em cada um dos tipos de transplante.

A córnea é a superfície transparente, em forma de cúpula do olho que é responsável por uma grande parte do poder de focagem. A córnea transparente saudável é essencial para uma boa visão. Se esta se encontrar lesada devido a doença ocular ou lesão no olho, pode ficar edemaciada, com cicatrizes ou severamente deformada e, desta forma, distorcer a visão.

Transplante de córnea - como funciona?

No transplante de córnea, o enxerto é retirado de um indivíduo recentemente falecido, sem doenças conhecidas ou outros fatores que possam afetar a viabilidade do mesmo ou a saúde do recetor.

Após retirado o enxerto, este é posteriormente transplantado cirurgicamente no indivíduo recetor. Dependendo da patologia subjacente e de determinadas condições, podemos utilizar diferentes tipos de transplante.

Tipos de transplante de córnea

Podemos identificar dois tipos de transplante de córnea, de acordo com o número de camadas transplantadas. A córnea contém cinco camadas, no entanto, em caso de transplante nem sempre é necessário transplantar todas as camadas.

Se todas elas forem transplantadas, dizemos que o transplante é penetrante, por sua vez, se apenas parte das camadas forem transplantadas dizemos que se trata de um transplante lamelar.

Mediante a patologia e de acordo com algumas situações o médico especialista em córnea, opta por efetuar o tipo de transplante mais adequado ao doente.

Transplante de córnea penetrante

O transplante de córnea penetrante envolve o transplante de todas as camadas da córnea do dador. Neste tipo de transplante a rejeição do enxerto é mais elevada do que nos enxertos lamelares e o tempo de recuperação e os erros refrativos são consideravelmente superiores.

Pelos motivos apontados, normalmente, este tipo de transplante é utilizado apenas nos casos em que o transplante lamelar não é de todo possível.

Transplante de córnea lamelar

No transplante de córnea lamelar, o cirurgião substitui apenas algumas das camadas da córnea.

No transplante lamelar de córnea, as camadas são selecionadas e transplantadas, o que pode incluir a camada mais profunda (posterior), o chamado endotélio (transplante de córnea lamelar posterior). Uma versão comumente realizada desse procedimento é o de Descemet Stripping Automated endotelial Keratoplasty (DSAEK). Se, por outro lado, o transplante incluir as camadas mais próximas da superfície (anterior), então designamo-lo por transplante de córnea lamelar anterior.

Habitualmente, o transplante lamelar é mais adequado do que o transplante penetrante completo quando o processo de doença se limita apenas a uma porção da córnea.

Transplante de córnea - riscos

Os riscos e complicações na cirurgia de transplante de córnea são semelhantes aos de outros procedimentos intra-oculares. Pode haver descolamento ou deslocamento dos transplantes lamelares. Na cirurgia de córnea existem também riscos de infeção. Esse riscos são minimizados através de profilaxia antibiótica (usando colírios antibióticos, mesmo quando não existe infeção).

Nesta cirurgia, os riscos não se ficam por aqui, podendo ocorrer outras complicações graves, nomeadamente, descolamento da retina, hemorragia da coróide, infeção endocular (endoftalmite), cataratas secundárias, glaucoma secundário, sinéquias da íris, irregularidade pupilar, edema macular cistóide, etc.

Um dos riscos frequentes é a rejeição da córnea. Veja, de seguida, mais informação sobre o risco de rejeição.

Rejeição - transplante de córnea

Após o transplante da córnea, em alguns casos, o sistema imunológico pode atacar a córnea. Esta situação é chamada de rejeição e pode necessitar de tratamento médico ou de outro transplante de córnea para resolver o problema. Sinais e sintomas de rejeição de córnea, podem incluir:

  • Perda da visão;
  • Dor nos olhos;
  • Olhos vermelhos; 
  • Sensibilidade à luz (fotofobia);

O transplante de córnea é uma cirurgia realizada rotineiramente e possui uma alta taxa de sucesso. Na verdade, os enxertos de córnea são os mais bem sucedidos de todos os transplantes de tecidos. Contudo, como vimos existe sempre o risco de rejeição da córnea. O risco de rejeição no transplante de córnea ocorre em cerca de 20% dos casos.

Transplante de córnea - cuidados pós operatório

Na cirurgia de transplante de córnea, existem alguns cuidados no pós operatório que devem ser assegurados, de forma a minimizar possíveis riscos. No pós transplante, deve ser efetuado tratamento médico adequado, nomeadamente:

  • Medicamentos prescritos pelo oftalmologista, como colírios e, ocasionalmente, medicamentos orais imediatamente após o transplante de córnea, durante o período de recuperação, de forma a controlar a infeção, edema e dor.
  • Usar um oclusor e repouso. O oclusor protege o olho após a cirurgia. Após o transplante de córnea, deve-se retomar o trabalho lentamente até poder realizar as suas atividades normais, incluindo o exercício físico. Deverá ao longo da vida tomar precauções extras para não prejudicar o olho. No transplante de córnea o tempo de repouso é variável consoante a patologia subjacente. Tipicamente, o repouso deve ser mantido durante um mês aproximadamente (4 semanas).
  • Após a cirurgia, devem realizar-se exames oftalmológicos de rotina, visando detetar complicações no primeiro ano após o transplante.

Transplante de córnea - recuperação

A maioria das pessoas sujeitas a transplante de córnea terá a visão, pelo menos parcialmente restaurada.

O risco de complicações e rejeição da córnea permanece durante anos após o seu transplante. Por esta razão, deverá visitar o oftalmologista anualmente. A rejeição da córnea, muitas vezes, pode ser controlada com medicamentos. Leia mais em rejeição da córnea.

Correção da visão após a cirurgia

A visão pode, inicialmente, ser pior do que antes de cirurgia, dependendo da forma como o olho se ajusta à nova córnea. Pode levar vários meses até a acuidade visual melhorar.

Podem surgir erros refrativos após a cirurgia de transplante de córnea, como miopia e astigmatismo.

O astigmatismo corneano médio após cirurgia de transplante é de 4 dioptrias após um ano. O controle do astigmatismo é efetuado de acordo com os pontos no pós-operatório. O processo de retirar os pontos é gradual e tem o seu início 3 a 6 meses após a cirurgia, dependendo da técnica de sutura empregada.

Os erros refrativos, como miopia e astigmatismo, podem ser corrigidos com óculos, lentes de contacto ou, em alguns casos, a realização de cirurgia ocular a laser.

Transplante de córnea - tempo de recuperação

No transplante de córnea, o tempo de recuperação é de aproximadamente 4 semanas.

Transplante - indicações cirúrgicas

A cirurgia transplante de córnea pode ser necessária se, eventualmente, o uso de óculos ou lentes de contacto não for capaz, por si só, de restaurar a visão ou se o edema doloroso não puder ser aliviado recorrendo a medicamentos ou lentes de contacto.

Certas situações podem afetar a transparência da córnea e colocar o doente em maior risco. Entre essas situações, destacamos algumas das mais comuns:

  • Ceratocone e outras distrofias da córnea;
  • Cicatrizes de infeções, como a herpes oculares ou ceratite fúngica;
  • Condições hereditárias como a distrofia de Fuchs;
  • As complicações raras da cirurgia LASIK;
  • As queimaduras químicas da córnea ou danos causados por uma lesão no olho;
  • Edema excessivo da córnea;
  • Rejeição do enxerto após um transplante de córnea anterior;
  • Descompensação do endotélio da córnea devido a complicações da cirurgia de catarata.

Apesar destas serem as doenças mais frequentes em que existe indicação para a cirurgia de transplante de córnea, outras anomalias podem estar relacionadas com a necessidade de transplante.

Saiba, aqui, tud sobre as principais doenças dos olhos.

Por ser uma doença frequente faremos, de seguida, uma breve abordagem ao transplante de córnea no ceratocone, ainda que esta cirurgia deva ser encarada como o último recurso.

O ceratocone é uma doença degenerativa que provoca alterações na córnea.

Saiba, aqui, tudo sobre ceratocone.

Transplante córnea - ceratocone

No ceratocone, o transplante de córnea é o tratamento cirúrgico indicado apenas e só quando outros tratamentos não forem viáveis. Ou seja, quando as restantes alternativas no tratamento do ceratocone não forem exequíveis, o transplante de córnea é a opção cirúrgica existente.

No tratamento do ceratocone existem diversas opções. Cada uma das alternativas do tratamento depende de vários fatores relacionados com a evolução da doença. Em termos cirúrgicos, a cirurgia de anéis corneanos é o método de eleição na atualidade. Os resultados cirúrgicos com anéis corneanos no tratamento do ceratocone são, normalmente, melhores do que os obtidos com transplante de córnea. Para além da cirurgia de anéis corneanos, outros tratamentos (médicos e cirúrgicos) podem ser utilizados, sendo o transplante de córnea para ceratocone apenas utilizado como último recurso.

Saiba, aqui, tudo sobre cirurgia de aneis corneanos no ceratocone.

Quanto custa uma cirurgia?

O preço de uma cirurgia de transplante de córnea varia de acordo com a técnica cirúrgica, o subsistema de saúde do doente, entre outros fatores.

O plano cirúrgico e consequente valor associado ao tranplante de córnea apenas podem ser definidos após avaliação em consulta pelo Médico Oftalmologista.