Cateterismo Cardíaco

Cateterismo cardíaco

O que é um cateterismo cardíaco?

Um cateterismo cardíaco é um exame invasivo que permite estudar o funcionamento do coração, nomeadamente as artérias do coração - as artérias coronárias. Para além da avaliação, permite também a realização de intervenções terapêuticas como a angioplastia coronária, que é um dos tratamentos mais frequentemente realizadas durante o procedimento. Veja mais informação em “angioplastia coronária”.

O exame é chamado de “cateterismo” devido ao tipo de procedimento efetuado, que se baseia na inserção de cateteres (tubos longos, finos e flexíveis) através de vasos sanguíneos, que são depois deslocados até ao coração, permitindo a visualização das suas estruturas num monitor. Os testes e a avaliação começam quando os cateteres estão corretamente posicionados no coração.

A injeção de um produto de contraste é uma técnica frequentemente utilizada durante o procedimento. Este produto de contraste tem como objetivos:

  • Avaliação do fluxo sanguíneo nas artérias coronárias (vasos sanguíneos que irrigam o coração) através da angiografia coronária e angiografia dos grandes vasos cardíacos (artéria aorta e artéria pulmonar). A angiografia é uma técnica imagiológica utilizada no estudo da forma e permeabilidade dos vasos (artérias ou veias), ou seja, permite localizar se têm anomalias na sua forma, a presença de estenoses (apertos) parciais ou totais (obstrução);
  • Ventriculografia. A ventriculografia é utilizada na suspeita de alterações na função e contractilidade nos ventrículos do coração.

Porque se faz um cateterismo cardíaco?

O cateterismo cardíaco é utilizado para diagnosticar diversas doenças do coração. Como se trata de um exame invasivo e que aporta riscos, apenas é realizado em condições específicas e geralmente após vários exames de diagnóstico de primeira linha como o eletrocardiograma (ECG), o ecocardiograma, prova de esforço, entre outros.

Além de permitir estudar a permeabilidade dos vasos sanguíneos, através da angiografia, é possível também verificar a pressão nas quatro câmaras do coração e procurar anomalias, recolher amostras de sangue para medir os níveis de oxigénio nas câmaras cardíacas e colher pequenas amostras de tecido cardíaco para examinar no laboratório ao microscópio (biópsia de tecidos).

Como vimos, pode também ser usado como um procedimento terapêutico em algumas alterações, como é o caso da angioplastia coronária, que descrevemos de seguida.

Angioplastia coronária

A angioplastia coronária é uma das intervenções mais frequentes num cateterismo cardíaco e permite a abertura de vasos sanguíneos obstruídos através de um cateter com um pequeno balão na extremidade.

Este procedimento é, geralmente, seguido da implantação de um stent (pequena rede metálica que impede a mesma artéria de se obstruir novamente), de modo a permitir a passagem do sangue.

A angioplastia com implantação de stent pode ser efetuada nos casos em que é detetada uma estenose (aperto) de um vaso sanguíneo em exames de rotina, ou em alguns casos, quando ocorre enfarte agudo, isto é, quando ocorre um bloqueio do vaso sanguíneo. Nestes casos, o cateterismo deve ser realizado com o máximo de urgência possível de modo o reduzir o risco de morte.

Riscos do cateterismo cardíaco

Apesar de invasivo, o cateterismo é um exame seguro, fruto das evoluções tecnológicas e do treino e experiência dos médicos que o realizam. Contudo, existe um conjunto particular de riscos e complicações tal como acontece em qualquer procedimento invasivo que envolva o coração, a saber:

  • Hematomas, sangramento ou infeção no local de inserção dos cateteres (geralmente virilha, braço ou pescoço);
  • Os produtos e medicamentos (remédios) utilizados durante o exame podem provocar reações alérgicas como: dores abdominais, prurido (comichão), urticária ou problemas renais;
  • Danos nas artérias onde os cateteres são inseridos;
  • Formação de coágulos sanguíneos que podem bloquear artérias (levando a derrames ou até mesmo a “ataques cardíacos”);
  • Arritmias (ritmo cardíaco irregular);
  • Perfuração de tecido cardíaco ou até morte (raro).

É importante que o médico cardiologista tenha conhecimento do seu historial clínico porque podem existir outros riscos associados, dependendo da presença de doenças crónicas ou agudas.

Preparação para um cateterismo cardíaco

Antes do exame, ser-lhe-ão dadas indicações sobre o que fazer antes da realização do cateterismo cardíaco. O médico cardiologista informará sobre o que pode ou não comer ou beber (durante 24 horas antes do exame), mas geralmente deve no dia anterior fazer uma dieta leve. O doente deve realizar jejum de pelo menos 4 horas antes do exame.

O médico verifica a necessidade de ajustar alguma medicação (ou suplementação) que esteja a tomar e que possa interferir no procedimento. O doente não deve parar de tomar qualquer medicamento que use de forma crónica por sua iniciativa, devendo qualquer suspensão ser apenas efetuada pelo seu médico.

A maioria das pessoas realiza análises ao sangue, como o estudo da coagulação para prevenir eventuais hemorragias. Um eletrocardiograma (ECG) é sempre prescrito, e em alguns casos podem ser realizados outros exames.

Saiba, aqui, o que é um eletrocardiograma.

É recomendado que esvazie a bexiga antes do exame e que se faça acompanhar de certos objetos pessoais, como por exemplo, chinelos ou um robe confortável de modo a melhorar e a tornar a estadia no hospital, após o exame, mais confortável.

Quanto tempo demora um cateterismo cardíaco?

O cateterismo cardíaco dura em média 30 minutos (sem intervenções adicionais). No entanto, esta duração é muito variável, pois depende muito das intervenções necessárias, como por exemplo a necessidade de angioplastia. Assim, este tempo pode variar significativamente de doente para doente.

Após o procedimento, o doente necessita de ficar em repouso e sob monitorização durante pelo menos duas horas numa unidade de recobro. Após este período de tempo, o processo de recuperação deve continuar ou na clínica / hospital ou em casa, dependendo do historial clínico e do procedimento realizado.

Como é feito o cateterismo cardíaco?

É importante saber o que esperar durante todo o processo, seja durante o exame, após o exame no hospital ou em casa.

Durante o exame

O procedimento de um cateterismo cardíaco possui vários passos:

  1. Remoção de quaisquer jóias ou objetos que possam interferir com a realização do exame (óculos ou aparelhos auditivos podem ser usados);
  2. Ida à casa de banho (é recomendado esvaziar a bexiga antes do cateterismo);
  3. Troca da roupa para a bata do hospital;
  4. Depilação da área de inserção dos cateteres;
  5. Inserção de um cateter intravenoso na mão ou braço, através do qual, se necessário, será injetado o produto de contraste;
  6. Será conectado um monitor (para monitorização por ECG e sinais vitais);
  7. Administração, se necessário, de um sedativo;
  8. Administração da anestesia local (dependendo da área de inserção – virilha, braço ou pescoço);

Os sinais vitais, as imagens dos cateteres a moverem-se através das veias e as estruturas do coração (após a injeção do corante de contraste) vão estar visíveis em monitores, enquanto o médico cardiologista dá indicações durante o processo (ex.: segurar a respiração ou mover a cabeça para facilitar a passagem do cateter).

Poderá sentir algum desconforto quando o produto de contraste é injetado, nomeadamente sensação de calor, náuseas ou dor de cabeça, mas geralmente duram apenas alguns momentos. Contudo, se durante o exame sentir dormência, calafrios, dor, dificuldade respiratória ou sintomas mais fortes, deverá informar o médico imediatamente.

No final do exame, os cateteres ser-lhe-ão retirados e um curativo ser-lhe-á feito antes de ser reencaminhado para a sala de recobro.

Após o exame

Após o exame, na sala de recobro (recuperação), vai ser instruído a descansar durante algumas horas, onde lhe serão medidos o ritmo cardíaco e outros sinais vitais. Este tempo de recuperação permite verificar se não existem complicações decorrentes do exame. Se sentir desconforto na zona de inserção, deverá informar imediatamente um profissional de saúde.

Estadias mais longas são frequentes e necessárias se tiverem ocorrido outras intervenções ou procedimentos (como a angioplastia) durante o cateterismo cardíaco.

Após o tempo de recuperação de aproximadamente 2 horas na sala de recobro, o médico cardiologista responsável pelo cateterismo poderá informar o doente dos resultados do exame, contudo, em situações de biópsia os resultados não são imediatos.

No caso de ter realizado uma angioplastia coronária, na altura da alta hospitalar o médico irá receitar um conjunto novo de medicamentos. Deverá cumprir rigorosamente a posologia prescrita e nunca os interromper sem nova indicação médica, pois se o fizer, poderá correr o risco de nova obstrução de uma artéria coronária, enfarte do miocárdio ou até a morte.

Em casa

Antes de sair do hospital, vão lhe ser dadas instruções que deve seguir cuidadosamente durante a recuperação em casa.

Dependendo das intervenções adicionais realizadas durante o exame, poderá regressar a casa no mesmo dia ou no dia seguinte ao exame. Contudo, em alguns casos como no enfarte agudo do miocárdio poderão ser necessários vários dias de internamento a até novas intervenções.

Em casa, deverá examinar frequentemente o local de inserção dos cateteres (um pequeno hematoma ou “inchaço” é normal durante alguns dias) e ter em atenção os sinais e sintomas de alarme como febre, dor ou pressão no peito ou sangramento no local de inserção. Se sentir algum destes sinais e sintomas, contacte o seu médico cardiologista.

Para reduzir a probabilidade de complicações na recuperação, deverá evitar fazer exercício físico ou atividades que requeiram muita força física até estar completamente recuperado.

Clínica de Cardiologia