Cistoscopia

Cistoscopia

O que é uma cistoscopia?

A cistoscopia é um exame que serve para auxiliar o médico no diagnóstico da patologia vesical (da bexiga), incluindo o cancro da bexiga, inflamação ou cálculos (litíase), entre outras. Veja mais informação em “indicações da cistoscopia”.

Este procedimento também pode ser definido por uretrocistoscopia quando se visualiza no mesmo procedimento a uretra e a bexiga do paciente, incluindo ainda, no sexo masculino, a identificação de partes da próstata que possam crescer para o interior da bexiga ou obliterar a uretra.

Videocistoscopia corresponde ao termo utilizado para definir a realização de cistoscopia ou uretrocistoscopia através de um sistema de vídeo, pelo qual é possível proceder à captação de imagem (fotografia ou gravação de vídeo).

Indicações da cistoscopia

A cistoscopia é um exame ou meio complementar de diagnóstico e terapêutica (MCDT), usualmente requisitado por médicos urologistas (especialistas em urologia). O exame está indicado no estudo de diversas patologias (ou doenças), nomeadamente:

  • Litiase (cálculo) vesical;
  • Sintomas do tracto urinário inferior (LUTS) – urgência, poliaquiuria, disúria, nicturia, jacto fraco, etc.;
  • Tumores da bexiga;
  • Endometriose;
  • Estudo da hematúria (presença de sangue na urina) microscópica ou macroscópica;
  • Infeções urinárias;
  • Sindromes dolorosos crónicos vesicais / pélvicos – ex. Inflamação crónica da bexiga, cistite intersticial, etc.;

Na maioria dos casos a cistoscopia é realizada neste contexto de investigação de determinados sinais e sintomas, sendo por isso conhecida como cistoscopia diagnóstica.

A cistoscopia também pode ser realizada com determinados fins terapêuticos (de tratamento) como fragmentar litíase, retirar cateter, distender a bexiga, injetar toxina botulinica ou mesmo para avaliar e/ou tratar patologia do trato urinário alto (uréter e rim).

Preparação para a cistoscopia

A preparação para o exame, realizado em contexto de consulta, é relativamente simples. Nalguns casos específicos pode estar indicado que seja realizada profilaxia com antibiótico antes ou imediatamente após o exame.

O doente é colocado inicialmente em posição tipo ginecológica / litotomia para mais fácil acesso à uretra.

A cistoscopia diagnóstica não precisa de jejum, sendo este até pouco recomendável. O doente deve beber bastante água, especialmente após o exame, como forma de prevenir eventuais infeções urinárias.

Após posicionamento do paciente, é efectuada a desinfeção dos genitais e a colocação dos campos de trabalho. De seguida, é administrado um anestésico local e lubrificante pela uretra para diminuir a sensibilidade e facilitar a introdução do cistoscópio.

Como é realizada a cistoscopia?

O procedimento tem inicio após posicionamento, desinfecção e aplicação do anestésico e lubrificante na uretra.

O cistoscópio, após esterilização, será introduzido pela uretra do paciente e progredido até à bexiga, normalmente sob visão.

A cistoscopia masculina (nos homens) tendencialmente é mais desconfortável devido ao maior tamanho da uretra, à presença de uretra prostática e de um esfíncter urinário mais forte. A utilização de um aparelho rígido (cistoscopia rígida) ao invés de um aparelho flexível também cursa com maior desconforto para o paciente. Alguns estudos têm demonstrado que o desconforto pode ser diminuído quando o paciente observa no monitor o seu exame enquanto está a ser realizado.

A cistoscopia feminina (nas mulheres) é mais fácil de realizar dado o menor tamanho da uretra e fácil acesso à bexiga.

Normalmente a cistoscopia diagnóstica é feita em ambiente de consulta com anestésico local e a cistoscopia terapêutica é realizada no Bloco Operatório sob anestesia geral / raquianestesia ou sedação, consoante o grau de invasão e condições anestésicas do doente.

No final do exame, é comum obter-se uma amostra de urina ou do líquido (soro fisiológico) instilado para avaliação citológica (estudo das células).

Durante o exame o médico observa as imagens, distinguindo entre aquilo que é normal e patológico (apresenta doença). A interpretação e o resultado da cistoscopia deverá ser correlacionado com a história clínica do doente e com os demais exames realizados.

Biópsias na cistoscopia

Caso se encontrarem lesões suspeitas na bexiga ou alterações no estudo citológico, o seu médico urologista (especialista em urologia) poderá recomendar a realização de biópsias vesicais ou uma cirurgia (operação).

Este procedimento complementa o resultado da cistoscopia ao permitir o estudo no laboratório das características dos tecidos. Estas biópsias podem ser realizadas com pinça (biopsia a frio), ou com uma ansa específica de resseção da bexiga (biópsia a quente).

Quando é necessário realizar múltiplas biópsias o procedimento costuma ser feito no bloco operatório sob anestesia geral, raquianestesia ou sedação. No caso de biopsias únicas ou em número reduzido, e caso o doente tolere, o procedimento pode ser realizado mediante instilação prévia de um anestésico no interior da bexiga que ficará a atuar por alguns minutos de modo a diminuir a sensibilidade à dor. Deste modo, evita-se o recurso ao bloco operatório bem como os riscos associados à anestesia geral ou raquianestesia.

A cistoscopia dói?

Como referido previamente a cistoscopia sob anestesia local costuma ser discretamente desconfortável, nomeadamente no sexo masculino.

A presença de dor intensa no decurso do exame, embora rara, é possível de surgir, nomeadamente nos casos associados a inflamação, apertos ou a feridas dos tecidos. Nestes casos, o procedimento pode ser realizado no bloco operatório sob sedação, raquianestesia ou anestesia geral.

Quem pode realizar o exame?

A cistoscopia pode ser realizada em pessoas do sexo masculino ou feminino e em qualquer idade.

O factor limitante mais comum para a realização do exame é a incapacidade do posicionamento do doente na marquesa em posição ginecológica (litotomia) de modo a permitir o fácil acesso e progressão desde a uretra até à bexiga.

Nalguns casos ocasionais, a existência de apertos ou estenoses da uretra podem impedir a progressão do aparelho até ao interior da bexiga.

Quanto tempo demora o exame?

A duração média de um estudo cistoscópico diagnóstico é de cerca de 5 minutos, sendo que poderá ser superior nos casos em que são realizadas atitudes terapêuticas.

O que pode sentir após o exame?

É normal algum desconforto ou dor ao urinar durante 1 a 2 dias após o exame, nomeadamente durante e após a micção.

A presença de dores moderadas a intensas ou febre deve ser relatada e investigada pelo seu médico pois poderá estar na presença de uma infecção da uretra ou da bexiga e ser necessário administrar antibiótico para resolução.

Pode igualmente ocorrer sangramento nos casos de uretrocistoscopia traumática ou se associada a procedimentos terapêuticos. Nos casos de sangramento relevante, prolongado ou com a presença de coágulos o utente deve ser reavaliado com urgência pelo seu médico. Hematúria limitada no tempo e em pouca quantidade costuma resolver espontaneamente sendo recomendado o reforço da hidratação (beber água).

A recuperação completa costuma ocorrer ao final do primeiro ou segundo dia após o procedimento, não sendo geralmente necessários cuidados posteriores de relevo.

Limitações da cistoscopia

A cistoscopia tem algumas limitações como a maior dificuldade em explorar a região do colo vesical (entrada na bexiga) ou impossibilidade de ser realizada em determinados pacientes que apresentem estenoses ou apertos ao nível da uretra. Algumas pessoas, nomeadamente na presença de alterações inflamatórias do tracto urinário baixo, podem não tolerar bem o exame, dificultando a correta exploração da totalidade da bexiga.

Na presença de infeção urinária, nomeadamente se sintomática, este exame não deve ser realizado, sob risco de agravar o estado infeccioso existente. Neste caso, a infeção urinária deve ser tratada primeiramente e só depois se deve realizar o exame.

Outros exames que se podem realizar caso não seja possível a cistoscopia são a ecografia vesical (bexiga) em repleção e a colheita de urina para estudo citológico (estudo das células) ou microbiológico, embora os resultados possam ser piores que os da cistoscopia.

Saiba, aqui, tudo sobre ecografia vesical.

Quanto custa uma cistoscopia?

O preço de uma cistoscopia, se executada a título particular, é definido pela clínica de urologia que realiza o procedimento.

Alguns doentes apenas suportam um valor de uma taxa moderadora ou co-pagamento, sendo este valor muito inferior ao custo real do exame. O valor pode variar em função do subsistema de saúde (ex. SNS, ADSE, …) associado ao doente. Alguns doentes, podem estar isentos do pagamento da taxa moderadora.

Obtenha mais informações sobre exames urológicos e saiba onde fazer a cistoscopia, selecionando o seu concelho de residência.

medico-concelho.jpg