Cálculos biliares, Litíase Biliar, Colelitíase

Pedra na vesícula fotos, imagens

O que é colelitíase?

A pedra na vesícula são substâncias que se depositam na vesícula biliar (litíase) sob o aspeto de pequenas pedras, causando alguns sintomas como dor no lado direito do abdómen ou na parte central do abdómen, abaixo do esterno, dor de costas (lado direito), náuseas e vómitos. Veja mais informação em sintomas. A litíase biliar é também designada por litíase vesicular, colelitíase, cálculos na vesícula ou “pedra na vesícula”.

A vesícula biliar é um órgão em forma de saco que se localiza por baixo do fígado, no lado direito do abdómen e que tem como função principal armazenar a bile e descarregá-la no duodeno durante a digestão.

Estes cálculos biliares ou cálculos vesiculares variam muito em tamanho: de grãos de areia até vários centímetros. Os cálculos na vesicula podem ser únicos ou existir às dezenas. Os mais frequentes são constituídos por colesterol (mais comuns) ou pigmentos (derivados da bile).

Em muitas pessoas, a litíase vesicular pode não causar qualquer sintomatologia (litíase vesicular assintomática). No entanto pode causar sintomatologia importante ou complicações graves – sobretudo a colecistite aguda.

Não se devem confundir os cálculos com pólipos vesiculares. Estes últimos são originados na mucosa (revestimento interno) da vesícula e à semelhança dos pólipos do cólon podem ter potencial maligno.

São fatores de risco (aumentam o risco de cálculos): ser do sexo feminino, idade maior que 60 anos, obesidade, gravidez, consumo de gorduras, diabetes, história familiar de cálculos (hereditário), uso de medicação para baixar colesterol, entre outros.

Perante suspeita de cálculos ou pólipos vesiculares, o médico pode prescrever uma ecografia que demonstre os cálculos, pólipos ou outras doenças da vesícula. Este exame pode necessitar de ser complementado com outros, como a TAC, ressonância magnética, CPRE ou análises sanguíneas.

O que causa pedra na vesícula?

Em relação às causas da formação da litíase biliar ou “pedra na vesícula”, admite-se que a bile possa ter demasiado colesterol ou bilirrubina ou, então, que a vesícula não se contraia e não esvazie bem (“vesícula preguiçosa”).

Sintomas de pedra na vesícula

A litíase vesicular, colelitíase ou “pedra na vesícula” pode provocar sintomas importantes, a saber: dor na vesícula, às vezes confundida com dor de estômago, que pode durar de minutos a várias horas e que é caracterizada do seguinte modo:

  • Dor forte no lado direito do abdómen ou na parte central do abdómen, abaixo do esterno;
  • Dor nas costas do lado direito, entre as omoplatas ou no ombro direito;
  • Náuseas e vómitos, agudizados com ingestão de alguns tipos de alimentos.

Estes sintomas podem suceder-se ao longo do tempo com periodicidade que varia de dias a meses – a chamada “crise de vesícula”.

Sinais e sintomas de alarme que aconselham o recurso imediato ao médico:

  • Dor tão intensa que não deixa o doente permanecer quieto;
  • Aparecimento de cor amarela nos olhos ou pele (icterícia), urina escura ou fezes claras;
  • Febre alta e arrepios.

Pedra na vesícula - riscos, complicações

Existe o risco dos cálculos biliares originarem algumas complicações, nomeadamente:

  • Inflamação da vesícula biliar (colecistite aguda) – a vesícula inflamada pode causar dor intensa, febre, abcesso e rotura da vesícula. É uma situação que exige tratamento médico ou cirúrgico imediato e pode pôr a vida em risco.
  • Obstrução dos canais biliares - ocorre então icterícia e possivelmente infeção e lesão do fígado.
  • Obstrução do canal pancreático - causando pancreatite, situação grave que obriga a hospitalização. Saiba, aqui, o que é pancreatite.
  • Cancro da vesícula – os doentes com cálculos têm risco aumentado de cancro na vesícula. (No entanto este cancro é raro!)

Estilo de vida e alimentação - o que fazer? o que comer?

Em termos de prevenção da colelitíase é importante não saltar refeições: O jejum prolongado aumenta o risco de cálculos ou “pedra na vesícula”. Deve evitar a obesidade e emagrecer lentamente, no máximo 1 kg por semana.

O doente que padece de litíase vesicular deve efetuar uma alimentação pobre em gorduras e prestar grande atenção ao perfil glicémico, no caso de ser diabético.

Numa crise de vesícula, a alimentação deverá ser orientada pelo médico, após avaliação da gravidade do quadro clínico.

Pedra na vesícula - tratamento

O tratamento da litíase vesicular, colelitíase ou “pedra na vesícula” depende essencialmente dos sintomas apresentados. Os cálculos biliares assintomáticos descobertos por acaso durante a realização de outros exames, habitualmente, não necessitam de tratamento. É necessário contudo manter atenção a sintomas relacionáveis com os cálculos e obter conselho médico em relação à situação clínica específica do doente.

Para os cálculos que causam sintomas a melhor opção é a remoção cirúrgica (cirurgia) da vesícula biliar. Esta operação faz-se habitualmente por via laparoscópica (colecistectomia laparoscópica). Trata-se de uma operação com internamento que pode variar de apenas algumas horas até 1 ou dois dias e desconforto mínimo para o doente. A vesícula não é necessária para viver e a colecistectomia não tem consequências digestivas importantes.

Existem medicamentos para dissolver os cálculos, mas de atuação lenta e pouco eficaz. Estes remédios reservam-se aos doentes que não podem ser operados por serem de risco cirúrgico elevado.

Devido à dificuldade de avaliar a gravidade de cada crise, a ingestão de medicamentos para aliviar a dor na vesícula, deve ser sempre orientada por um médico.

medico-concelho.jpg