Dedos em garra

Dedos em garra

O que são dedos em garra?

Dedos em garra (ou “dedos em martelo”) é uma deformidade onde os dedos do pé se encontram curvados, estando numa posição que se parece com uma garra, devido à sua curvatura extrema causada pela flexão das articulações interfalangicas e pela retração e encurtamento dos tecidos (veja imagens superiores).

Esta deformidade dos dedos dos pés é uma das mais comuns do antepé, podendo afetar um ou mais dedos, em apenas um ou ambos os pés (bilateral). Acontece devido ao desequilíbrio entre os músculos e tendões responsáveis pela extensão e flexão dos dedos, e podem também aparecer devido a patologias subjacentes como diabetes ou pé cavo. Veja mais informação em “Causas dos dedos em garra”.

Os dedos em garra podem ser uma deformidade progressiva (aumenta com o avançar da idade), um problema congénito (presente no nascimento), ou podem desenvolver-se devido a outros distúrbios e patologias, como diabetes, artrite reumatóide, paralisia cerebral, entre outras, que discutiremos mais à frente, neste artigo.

Dependendo da gravidade da situação, os dedos em garra podem não exigir tratamento, no entanto, todos os casos, tendem a piorar, e quando grave, pode ser extremamente doloroso, com presença de hiperqueratoses (calosidades) e joanetes nos pés (veja mais informação em complicações). A deformidade, quando não tratada atempadamente, pode também provocar a imobilidade dos dedos (ficam permanentemente rígidos).

Sinais e sintomas dos dedos em garra

Existe uma grande diversidade de sinais e sintomas que podem ser provocados pelos dedos em garra, a saber:

  • Desenvolvimento de hiperqueratoses (calos), bolhas ou úlceras em partes do pé que tocam no calçado;
  • Dor nos dedos, muitas vezes associada a edema (inchados) e rubor (cor avermelhada);
  • Dor nos pés, muitas vezes crónica e que acentua com a utilização de calçado fechado;
  • Desconforto a utilizar certos calçados;
  • Os dedos dos pés ficam curvados para baixo (flexão), em direção à planta do pé (sola do pé);
  • Os dedos podem também ficar curvados para cima (extensão);
  • Encontram-se, muitas vezes, associados a HAV (joanetes), metatarsalgias e retrações musculares;
  • Pode ocorrer infeções, raramente;
  • Edema (inchaço) nos pés;
  • Entre outros.

Causas dos dedos em garra

Os dedos em garra podem-se desenvolver como resultado de várias causas subjacentes, a saber:

  • Desequilíbrio de forças musculares e tendinosas devido a alterações mecânicas e estruturais do pé;
  • Lesão traumática a/de um dedo do pé;
  • Uso durante muito tempo de sapatos apertados, de salto alto, ou de má qualidade;
  • Pé cavo: a curvatura excessiva da planta do pé aumenta o risco de desenvolvimento da deformidade em questão. Saiba, aqui, o que é pé cavo.
  • Diabetes: Danos nos nervos, especialmente nos pés, é uma das complicações que podem resultar da diabetes;
  • Artrite reumatóide: Esta é uma doença autoimune que faz com que o sistema imunitário do doente ataque tecidos saudáveis nas articulações. Como resultado, o revestimento das articulações fica inflamado, o que pode levar a deformidades articulares. Saiba, aqui, o que é artrite reumatóide.
  • Hereditariedade (genética): alguns genes ou doenças genéticas podem provocar os dedos de garra;
  • Danos nos nervos podem enfraquecer os músculos do pé, levando a desequilíbrios que forçam os dedos dos pés a curvarem-se anormalmente;
  • Resultado de uma cirurgia no tornozelo ou lesões no tornozelo;
  • Paralisia cerebral: Esta doença pode provocar a rigidez dos músculos, incluindo nos pés;
  • Acidente vascular cerebral (AVC): Os derrames podem causar danos perigosos nos nervos e afetar os músculos, incluindo também, os dos pés;
  • Entre outras.

Diagnóstico dos dedos em garra

Os dedos em garra são frequentemente diagnosticados apenas com o recurso ao exame físico. O podologista consegue, geralmente, identificar a deformidade apenas avaliando o estado dos pés do doente.

Em alguns casos, e dependendo da existência de patologia subjacente, é necessário efetuar investigação clínica. Em alguns casos, pode ser necessário recorrer a vários meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT), como por exemplo a imagem radiológica para a avaliação das estruturas ósseas subjacentes, ou até exames neurológicos. Alguns distúrbios neurológicos podem enfraquecer os músculos do pé, o que cria desequilíbrios nestes, podendo provocar doenças como os dedos em garra e outras deformidades.

Os dedos em garra têm cura?

Em casos leves, o prognóstico da doença é extremamente favorável e a adoção de alguns cuidados em casa podem ajudar a melhorar a sintomatologia da doença, especialmente se os dedos dos pés ainda são flexíveis. Veja, de seguida, “Tratamento dos dedos em garra”.

No entanto, em alguns casos mais graves, nomeadamente os dedos que se tornem permanentemente rígidos e sem capacidade de movimento, o doente pode precisar de cirurgia para corrigir a patologia e evitar os sinais e sintomas provocados pela mesma.

Por isso, é extremamente importante efetuar um diagnóstico nas fases iniciais da deformidade, de modo a instituir um tratamento adequado precocemente, para evitar a progressão da doença.

Tratamento dos dedos em garra

Os dedos em garra sem tratamento tendem a piorar o seu prognóstico ao longo do tempo, podendo-se tornar uma deformidade permanente. Se os dedos ainda são flexíveis, existem algumas opções terapêuticas bastante benéficas e que podem tratar os dedos em garra sem recorrer à cirurgia.

Tratamento não cirúrgico

As deformidades dos dedos em garra são flexíveis no início, mas com o tempo os dedos ficam rígidos e sem movimento. Por isso, em estágios iniciais, o profissional de saúde pode recomendar tratamentos conservadores (não-cirúrgicos) para a correção e alívio de algia provocada pelos dedos em garra, a saber:

  • Usar sapatos com caixas de dedos macios e espaçosos e evitar sapatos apertados e saltos altos (que alivia também a dor causada pela pressão do calçado no dedo);
  • Usar as mãos para esticar os dedos dos pés e articulações em direção às suas posições normais;
  • Utilizar palmilhas para corrigir o apoio do pé;
  • Utilizar ortóteses, uma tala ou fita adesiva, de forma a manter os dedos dos pés na sua posição correta;
  • Tratamento periódico das calosidades existentes nos dedos, de forma a aliviar parte do desconforto provocado pela patologia;
  • Entre outros.

Tratamento cirúrgico

Se os tratamentos conservadores não produzirem resultados, o paciente pode precisar de cirurgia para corrigir o problema, sendo nestes casos encaminhado para um médico ortopedista, especialista em doenças do pé. A viabilidade da cirurgia e o tipo de operação necessária para a correção das deformidades será avaliada pelo médico ortopedista.

Se os dedos em garra ainda estiverem nos estágios iniciais ou flexíveis, o cirurgião pode recomendar um procedimento cirúrgico que corrija a alteração existente nos tendões, de modo a corrigir a garra dos dedos.

Se a deformidade se encontra presente há muito tempo e agora é rígida (não corrigível), o cirurgião pode recomendar uma cirurgia que inclua correção das articulações afetadas, além das alterações existentes nos tendões.

 

Clínica de Podologia