Cirurgia na enxaqueca

Cirurgia na enxaqueca

Prevalência da enxaqueca

A enxaqueca atinge cerca de 12 % da população mundial, com uma incidência maior na quarta década de vida e nas mulheres. De acordo com os dados disponíveis, atinge cerca de 16 % da população portuguesa.

As cefaleias são consideradas a 19ª doença mais debilitante a nível mundial. Na verdade, é uma patologia incapacitante e causa, entre outras coisas, muitas faltas ao trabalho. A medicação usada com fins terapêuticos e/ou preventivos atinge elevados custos. Nos EUA, os custos do tratamento medicamentoso e do absentismo ao trabalho decorrentes de cefaleias correspondem a um enorme fardo para o doente e para a sociedade, coletivamente ultrapassando os 13 biliões de dólares por ano.

Quando equacionar a cirurgia?

Pela primeira vez em Portugal foi realizado em 8 de junho de 2017, no Centro Hospitalar São João / Faculdade de Medicina do Porto, o tratamento cirúrgico minimamente invasivo (endoscópico) de enxaqueca com sucesso. A doente operada afirmou, à equipa médica, que a tratou: “há 25 anos que não estava 2 meses sem tomar analgésicos e sem cefaleias, os senhores mudaram a minha vida!”.

A operação em questão pode curar ou aliviar muito os sintomas numa percentagem muito elevada de doentes. Estará indicada para os doentes que não respondem aos tratamentos ou que respondem mal ou que não toleram a medicação. O tratamento cirúrgico das cefaleias só deve ser considerado após avaliação do doente por um neurologista, confirmação do diagnóstico de enxaqueca e tentativa de tratamento médico (farmacológico e não farmacológico). Numa fase inicial, o neurologista identifica o tipo de dor de cabeça presente e orienta o doente em termos de tratamentos ou de medidas a usar. Uma delas passa pelo uso de medicamentos, pois muitas das enxaquecas são controladas desta forma.

Já no doente em que estas medidas não surtam efeito poderá então equacionar-se a fase seguinte e encaminhá-lo para um cirurgião que faça este tipo de operação, neste caso específico com técnica endoscópica. O objetivo é tratar doentes que estejam na situação limite de não conseguirem ter a sua enxaqueca controlada e que podem ter aqui uma alternativa. Mas enquanto a medicação resolver, não há lugar para colocar esta opção em cima da mesa. É mais fácil tomar um comprimido do que ser operado.

Como é realizada a cirurgia?

A intervenção em causa, inicialmente pensada para corrigir as rugas da testa e elevar as sobrancelhas contrariando os sinais de envelhecimento, é realizada por meio de técnica endoscópica na região frontal e é dirigida aos chamados trigger points, isto é, pontos desencadeantes das crises dolorosas. A técnica consiste em seccionar os músculos situados na região frontal do crânio entre as sobrancelhas (corrugador e procerus) e libertar os nervos adjacentes (supraorbitário e supratroclear) na parte superior do olho. A estimulação destes nervos era o fator desencadeante das cefaleias. A cirurgia é realizada através de três pequenas incisões (15 milímetros) escondidas no couro cabeludo, com anestesia geral e obriga a internamento de apenas um dia.

Esta intervenção está indicada para pessoas que não respondem aos vários tratamentos com medicamentos ou nas situações em que os efeitos adversos desses medicamentos são tão significativos que impedem a sua utilização. Antes de se decidir que a operação é a opção mais válida, existe um passo intermédio que deve ser feito e que consiste numa prova terapêutica de injeção de toxina botulinica (botox) na testa para verificar se esta última influencia as enxaquecas, mais concretamente se diminui a sua intensidade e/ou frequência. Se a prova terapêutica com toxina botulinica não influenciar as enxaquecas, então isso significa que o problema não reside na região frontal e que esta operação não irá trazer benefícios.

Pós-operatório, recuperação

No pós-operatório são apenas necessários os cuidados habituais que uma cirurgia deste tipo envolve, podendo o doente retomar a sua atividade normal ao fim de poucos dias.

No entanto, após a alta hospitalar o doente deverá permanecer entre quatro a cinco dias em casa até que o edema (“inchaço”) desapareça. No fundo, trata-se mais de um impedimento estético do que físico.

Resultados, expectativas futuras

Esta nova arma terapêutica parece ser promissora e pode ser aplicável num número elevado de doentes com significativa melhoria da qualidade de vida. Está descrito, na literatura disponível, que mais de 80% dos doentes operados ficaram curados ou descrevem uma melhoria em termos de redução da frequência de crises ou da intensidade dos sintomas. Para além deste claro benefício para o doente, antevê-se um impacto económico considerável com a utilização do tratamento cirúrgico em questão nos casos indicados.

A equipa que fez pela primeira vez em Portugal esta operação foi; Prof Dr António Costa Ferreira (cirurgião principal), Drª Inês Insua Pereira (cirurgião principal), Drª Antónia Trigo Cabral (anestesista), Dr Jorge Carvalho (cirurgião ajudante), Dr Sérgio Teixeira (cirurgião ajudante), Enfª Paula Martins (enfermeira instrumentista), Enfª Joana Monteiro (enfermeira de anestesia), Enfª Patricia Vieira (enfermeira circulante).

medico-concelho.jpg