Polissonografia

Registo poligráfico do sono noturno (Polissonografia)

O que é polissonografia?

O exame de polissonografia ou estudo do sono tem como principal objetivo o diagnóstico de doenças que se manifestam durante o sono, no hospital/clínica ou em casa.

A polissonografia, estudo polissonográfico do sono ou simplesmente estudo poligráfico do sono pretende avaliar o sono através de dados obtidos por via da utilização de sensores colocados na superfície corporal antes do doente adormecer. Assim sendo, a polissonografia é realizada enquanto o doente dorme.

O exame é feito através da utilização de sensores que permitem recolher e registar a atividade elétrica cerebral (Electroencefalograma), a atividade muscular (Electromiograma), a atividade cardíaca (Electrocardiograma), os movimentos oculares (Electrooculograma), a respiração (Fluxo oro-nasal e movimentos torácicos e abdominais), a oxigenação do sangue (Oximetria), o ressonar e a posição corporal.

Veja fotos superiores de um aparelho de polissonografia e imagens dos respetivos sensores.

Indicação do exame

O exame de polissonografia está indicado para o estudo das doenças do sono e para avaliação da eficácia do tratamento nalgumas situações pontuais.

Existem vários tipos de estudos do sono, com diferentes sensibilidades e especificidades, que devem ser adequados ao tipo de suspeita diagnóstica.

No que diz respeito à reavaliação terapêutica, temos várias indicações possíveis: uma delas é a polissonografia para titulação de CPAP, mandatória para a aferição da pressão positiva necessária ao tratamento do doente. No entanto em Portugal usamos preferencialmente aparelhos automáticos (Auto-CPAP ou APAP) para o tratamento da SAOS, diminuindo a necessidade de recorrer a esta titulação.

Nos doentes com diagnóstico de síndrome de apneia do sono, já sob terapêutica com CPAP e que mantem queixas relacionadas com o sono (Sonolência, alterações do comportamento durante o sono, ...) poder-se-á realizar polissonografia com CPAP.

Eficiência das próteses de avanço mandibular, utilizadas nos casos de apneia do sono ligeira e em doentes mais graves que não aderem ao CPAP (também usadas em situações de bruxismo) ou doentes submetidos a cirurgia são outras das indicações da Polissonografia.

A realização de uma polissonografia basal deve ser realizada antes do teste de latência múltipla do sono na suspeita de narcolepsia.

Saiba, aqui, o que é apneia do sono.

Tipos de polissonografia

O estudo do sono com maior sensibilidade e com menos falhas é o estudo laboratorial assistido por um técnico especializado em sono, realizado num laboratório de sono (Polissonografia tipo 1). No entanto, é um exame considerado dispendioso e tecnicamente complexo. Daí que sejam utilizados métodos diagnósticos alternativos mais rápidos e mais baratos como alternativa.

A polissonografia pode ser dividida em quatro tipos:

  • Polissonografia tipo 1 - Realizada em laboratório de sono e observada por um técnico (Captando pelo menos 7 canais de sinal);
  • Polissonografia tipo 2 - Realizada sem a observação de técnico. (Captando pelo menos 7 canais de sinal);
  • Polissonografia tipo 3 - Realizada sem a observação de técnico. (Captando de 4 a 7 canais de sinal). Também denominada polissonografia cardio respiratória;
  • Polissonografia tipo 4 - Realizada com 1 ou 2 canais (sendo um deles a oximetria)

As polissonografias tipo 2, tipo 3 e tipo 4 poderão ser realizadas em casa, denominadas, por isso, polissonografia em ambulatório ou polissonografias no domicilio através de um aparelho de polissonografia portátil.

Estudo do sono em ambulatório

Geralmente, o doente é contactado telefonicamente e é agendado o dia para a realização do exame, tendo em conta a disponibilidade do mesmo.

O doente deve comparecer, habitualmente, entre as 19h e as 22h na clínica.

Assim que seja efetuada a admissão do doente, o técnico recolherá alguns dados sobre a situação clínica do mesmo e iniciará a colocação de eléctrodos e sensores no doente. Esta tarefa tem a duração aproximada de uma hora. Uma vez que o doente irá dormir na sua própria casa, ser-lhe-á explicada a forma de retirar todos os sensores no final do exame.

O doente dever-se-á levantar à hora habitual e deverá deslocar-se à clínica, fazendo-se acompanhar de todo o equipamento para que se proceda à análise do estudo.

No dia do exame deverão manter-se alguns cuidados, designadamente:

  • Tentar manter a sua atividade diária normal;
  • Fazer uma refeição ligeira ao jantar, sem ingerir álcool nem café;
  • Barbear-se (só no caso de doentes que não usem barba frequentemente);
  • Não dormir sestas;
  • Lavar a cabeça sem usar amaciador. Não usar laca ou gel;
  • Não utilizar maquilhagem, unhas pintadas ou jóias;
  • Manter o uso de medicamentos; caso se justifique, a sua suspensão deverá ser efetuada por indicação médica prévia;
  • Trazer roupa confortável para dormir uma vez que o aparelho será colocado sobre essa roupa;
  • É aconselhável vir acompanhado(a) por alguém que o(a) possa levar ao domicílio após a colocação do equipamento. Serão colocados fios na cabeça, face, peito, braços e pernas.

Quanto tempo dura o exame?

O exame tem a duração do tempo mediado entre o doente deitar-se e levantar-se. O que equivale a uma “noite inteira”.

Para efetuar a análise do exame, o médico utiliza critérios específicos para validar ou não o estudo do sono. No caso de o doente não ter dormido o tempo suficiente para poderem ser tiradas conclusões acerca do sono dessa noite, o exame deverá ser repetido.

Resultado do estudo do sono

Após a realização da polissonografia nocturna toda a informação captada através do aparelho do sono durante a noite será transferida para um computador. Posteriormente proceder-se-á à interpretação da polissonografia, ou seja, à análise visual e avaliação/classificação manual de todo o exame por períodos de 30 segundos.

A pré-classificação do estudo é efetuada por um técnico e os exames serão todos revistos e confirmados pelo médico pneumologista. Os critérios de classificação são diferentes nos adultos e nas crianças ou no bebé. Daí que nem todos os locais estejam vocacionados para a realização de estudos do sono em crianças.

Finda a classificação será elaborado um relatório clínico onde constam os dados recolhidos e a conclusão do estudo. De salientar que este relatório deverá ser redigido mediante as recomendações internacionais do sono.

Por norma, o doente poderá levantar o exame sensivelmente uma semana após a sua realização.

Nos casos em que forem detetadas eventuais alterações no exame, o médico deverá correlacionar os dados com a história e outros exames ou análises de modo a efetuar o diagnóstico e plano de tratamento. Um resultado normal poderá não ser indicativo de que não exista doença do sono.

Quanto custa uma polissonografia?

O preço da polissonografia varia de acordo com o tipo de exame efectuado, sendo que a polissonografia de ambulatório (em casa) é sempre menos onerosa. O valor do exame e taxa moderadora pode também variar de acordo com o subsistema de saúde associado, como a ADSE, SAMS, etc.

Em Portugal não existem, até ao momento, acordos com o SNS para a realização deste exame fora da rede pública, daí que a polissonografia tenha que ser efectuado a título particular nestes casos.

Veja mais informação sobre onde fazer a polissonografia e preços de exames, na clínica que recomendamos no seu concelho em Portugal.

clinica de pneumologia.png