Espirometria

Espirometria

O que é espirometria?

A espirometria é um exame que serve para avaliar a função pulmonar (dos pulmões), medindo a quantidade de ar inspirada, a quantidade expirada e a rapidez com que se expira.

A espirometria é utilizada para diagnosticar asma, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e outras doenças que afetam a respiração. Também pode ser usada periodicamente para verificar se um tratamento para uma doença pulmonar crónica está a ser eficaz.

Indicações da espirometria

O seu médico pode sugerir a realização de uma espirometria se suspeitar que os seus sinais ou sintomas podem ser causados por uma doença pulmonar crónica, tais como:

Se já lhe foi efetuado o diagnóstico de doença pulmonar crónica, a espirometria pode ser usada periodicamente para verificar se a sua medicação está a ser eficiente e se os seus problemas respiratórios estão controlados.

Preparação para o exame

Não é necessário qualquer tipo de preparação prévia para a realização da espirometria. Deve seguir as instruções do seu médico sobre se deve evitar o uso de medicações inaladas ou outros medicamentos antes do exame.

A espirometria é um exame seguro que pode ser realizada por crianças e adultos em qualquer idade.

Como o teste requer esforço físico, não poderá ser realizado em doentes com enfarte do miocárdio (ataque cardíaco) recente ou portadores de outras doenças cardíacas. Raramente, o teste desencadeia problemas graves. O doente pode sentir falta de ar ou tonturas imediatamente após a realização do exame.

Outras sugestões incluem o seguinte:

  • Use roupas soltas que não interfiram com a sua capacidade de respirar fundo;
  • Evite comer uma grande refeição antes da espirometria, para ser mais fácil respirar.

Este teste funcional respiratório exige que o doente respire num tubo ligado a um aparelho chamado espirómetro. Antes de fazer o teste, o técnico ou o seu médico Pneumologista dar-lhe-á as instruções específicas. Oiça cuidadosamente e faça perguntas se tiver dúvidas. Para o exame ter resultados precisos é necessário ser realizado corretamente.

Como é feita uma espirometria?

Durante o teste, o doente deverá estar sentado e ser-lhe-á colocado um clipe no nariz para manter as narinas fechadas.

Inicialmente realizará uma inspiração profunda, através do tubo do aparelho, seguida de uma forte expiração que dura vários segundos. É importante que seus lábios criem “um selo” em torno do tubo, de modo que não permita a saída de nenhum ar para fora do tubo.

O teste é realizado pelo menos três vezes para que os seus resultados sejam relativamente consistentes. Se houver demasiada variação entre os três resultados, talvez seja necessário repetir o teste novamente. O valor mais alto entre os três valores do teste é usado como o resultado final.

Todo o processo geralmente tem uma duração inferior a 15 minutos.

Espirometria com prova de broncodilatação

O Pneumologista ou o técnico de pneumologia pode dar-lhe uma medicação inalada (broncodilatador) para abrir os brônquios (espirometria com prova de broncodilatação) após os primeiros testes.

É necessário esperar 15 minutos e, em seguida, fazer outro conjunto de medições.

O médico vai comparar os resultados das duas medições (antes e após a broncodilatação com 400 microgramas de salbutamol) para ver se o broncodilatador melhorou a sua obstrução. Ou seja, são realizados dois tipos de espirometria: uma inicial sem qualquer medicação (espirometria simples) e uma segunda em que o exame é realizado após broncodilatação. A espirometria fica completa após a análise destas duas componentes (a espirometria simples + a espirometria realizada após a broncodilatação).

O que é medido numa espirometria?

Os principais parâmetros medidos durante uma espirometria são:

  • Capacidade vital forçada (CVF) - Esta é a maior quantidade de ar que pode exalar com força depois de respirar o mais profundamente possível. Uma leitura de CVF inferior à normal indica restrição pulmonar;
  • Volume expiratório forçado (VEF1 ou FEV1) - Refere-se à quantidade que consegue expirar num segundo. Este valor ajuda o seu médico a avaliar a gravidade dos seus problemas respiratórios. Os valores mais baixos de FEV1 indicam maior gravidade da obstrução.
  • Pico expiratório máximo (PEF) – É o valor do pico no ramo expiratório da curva de débito-volume.

Atualmente, a interpretação dos valores obtidos na espirometria é feita com base nos valores de referência do GLI (Global Lung Function Initiative 2012) que fornecem um limite inferior da normalidade (LIN), abaixo do qual se considera que os valores são considerados diminuídos. Os valores de referência do GLI variam de pessoa para pessoa. São calculados em função do sexo, grupo étnico, altura e da idade. Para além dos valores obtidos, os valores de referência são apresentados no relatório final em tabelas e gráficos.

Se os valores se encontrarem no intervalo da normalidade, a espirometria é descrita como sendo normal.

A interpretação final do exame é realizada pelo médico Pneumologista que correlacionará o resultado da espirometria com a história clínica do doente e restantes exames de diagnóstico.

Quanto custa uma espirometria?

O preço de uma espirometria, se realizada a título particular, é fixado pela clínica de pneumologia que executa o exame.

O valor pode também variar de acordo com o subsistema de saúde do doente (ex. ADSE, etc.). Para os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) apenas tem lugar o pagamento de uma taxa moderadora, nos casos onde não existe isenção.

Veja mais informação sobre custos e onde fazer a espirometria, selecionando o seu concelho de residência.

clinica de pneumologia.png