Exodontia

Exodontia, fotos, imagens

O que é exodontia?

A exodontia é o ato cirúrgico que corresponde a uma extração de dente, ou seja, é remover, extrair, “tirar” ou “arrancar” um dente." A extração dentária é uma pequena cirurgia ou operação, referida como um dos procedimentos estomatológicos mais ancestrais de que há registo. 

A necessidade de extração de dentes ocorre no adulto com relativa frequência em consequência de diversos problemas dentários. Na criança, nos dentes decíduos ou dente de leite ou temporários a extração de dentes pode também ser necessária em determinadas circunstâncias.

A extração pode ser efetuada em qualquer um dos dentes (incisivo, canino, pré-molar ou molar). Devido a alguns prolemas de erupção o dente do siso ou terceiro molar (superior ou inferior) é um dos dentes, muitas vezes, indicado para exodontia.

Na maior parte das vezes, a extração envolve apenas um único dente, mas em muitos casos podem ser extraídos dois ou mais dentes na mesma consulta cirúrgica sem qualquer contraindicação (exodontia múltipla).

Saiba, de seguida, quais os principais motivos que acabam por implicar a necessidade de se extrair um dente permanente ou temporário.

clinica-dentaria.png

Quando extrair um dente?

Existem várias razões que podem implicar a extração de um dente, sendo a cárie dentária a mais frequente, quando já não seja viável ou compensatório recuperar o dente cariado, (popularmente chamado de “dente podre”).

Saiba, aqui, tudo sobre cárie dentária.

Outras causas que podem levar à extração de um dente incluem:

Saiba, aqui, tudo sobre a extração do siso.

Contudo, nem só quando os dentes apresentam determinado problema é que é considerada a sua extração. Por vezes, mesmo estando saudáveis poderá ser ponderada a exodontia programada de determinados dentes, como acontece por exemplo em certos tratamentos ortodônticos, nomeadamente para permitir o alinhamento dentário nos casos em que existe falta de espaço.

Saiba, aqui, o que é um aparelho dentário e tratamento ortodôntico.

De igual forma, os dentes supranumerários, que são dentes excedentários, ou seja, que excedem o número normal de dentes, popularmente designados “dentes a mais” são também indicados para extração, caso estejam ou possam vir a implicar problemas estéticos e/ou de oclusão. Regra geral, os procedimentos inerentes à extração de um dente supranumerário obedecem aos mesmos critérios de qualquer outro dente.

No caso do bebé ou criança, nos casos de dentes decíduos (dentes de leite ou dentes temporários), mesmo que saudáveis, podem ter indicação para extração, principalmente se já se verificar a erupção do dente definitivo correspondente.

Contraindicações na exodontia

Na maioria dos casos não existem impedimentos à extração dos dentes, mesmo nos casos de dente inflamado ou dente infecionado, podendo o procedimento ser efetuado com segurança, desde que não se verifique nenhuma contraindicação específica para o fazer.

É também viável e até, por vezes, pertinente a extração de dente na gravidez, pois se existe algum dente com infeção, para além dos problemas que pode causar à grávida, a saúde do feto pode ser também prejudicada. Existem, contudo, referências para que esse procedimento seja efetuado apenas após os três primeiros meses de gestação.

A mulher menstruada pode extrair dentes sem qualquer problema durante o período menstrual, pois por si só, a menstruação não constitui qualquer contraindicação.

Existem, contudo, situações muito específicas e extremamente importantes, em que já se torna imperioso adiar a extração dentária e que incluem:

  • Pacientes que estejam a ser submetidos a tratamentos de radioterapia e/ou quimioterapia ou que os tenham terminado há menos de meio ano;
  • Pessoas diabéticas não compensadas;
  • Pessoas imunocomprometidas;
  • Doenças hemorrágicas sem prévio controlo;
  • Leucemia ou anemias graves;
  • Certas doenças, como a sífilis e a tuberculose, por exemplo, quando não devidamente acompanhadas e controladas.

Outra situação onde se torna prudente adiar a extração, embora bem menos relevante mas também a ter em conta, é o caso da extração de dente com abcesso, procedendo-se normalmente à prescrição prévia de antibióticos para controlo da infeção.

No caso de pessoas que tomam anticoagulantes, poderão ter que suspender a sua toma por um período indicado pelo médico ou substituir por anticoagulantes de baixo peso molecular (normalmente injeções subcutâneas) para evitar ou diminuir o risco de hemorragia pós-extração.

Extração de dente - passo a passo

A exodontia, tal como qualquer outro procedimento cirúrgico, obedece a um determinado protocolo, sendo que em traços gerais podemos descrever os seguintes passos:

  1. Planeamento prévio, que pode incluir a realização de um raio x para avaliar a posição e forma da ou das raízes e estruturas adjacentes (poderá também ser ponderada prescrição de medicamentos prévia à extração);
  2. Promover as condições de assepsia inerentes à cirurgia em questão;
  3. Aplicação de anestesia, normalmente local infiltrativa;
  4. Descolamento da gengiva;
  5. Luxação do dente (promover a sua mobilidade com ajuda de alavancas próprias para o efeito);
  6. Extração propriamente dita com o auxílio de “fórceps” (boticões), caso o dente não possa ser removido apenas com trabalho de alavanca;
  7. Promover a hemóstase para facilitar a coagulação imediata e prevenção de hemorragias (“para não sangrar ou fazer parar sangramento após a extração”);
  8. Sutura do alvéolo dentário (“dar pontos”), exceto se não necessário;
  9. Explicação ao doente das atitudes no pós-operatório.

Normalmente a exodontia de dente monorradicular (dente com uma só raiz), tende a ser mais fácil e a cicatrizar mais rápido quando comparada à exodontia de dente multirradicular (dente com mais de uma raiz), mas, por si só, essa particularidade não determina o tempo de cicatrização, pois a mesma depende de muitos outros fatores.

clinica-dentaria.png

Extrair um dente dói?

A cirurgia para extrair um dente não dói, uma vez que este ato é efetuado sob anestesia que hoje em dia é bastante eficaz. Ou seja, o efeito da anestesia permite que a extração do dente se efectue sem doer, apesar da dor ser um sintoma que poder ser tolerado de forma muito diferente de pessoa para pessoa.

Cuidados no pós-operatório

Após a extração de um ou mais dentes deverão ser tomados os devidos cuidados para que a cicatrização ocorra normalmente, evitando complicações que podem culminar numa infecção após a extração de dente (alveolite), provocando dores bastante fortes. Assim, deverão ser tomados os seguintes cuidados após a extração de um dente:

  • Evitar ao máximo a ingestão de alimentos ou bebidas muito quentes, assim como evitar permanecer ao sol ou sob outras fontes de calor;
  • Se possível comer um gelado, de preferência de gelo após a extração;
  • Evitar fumar;
  • Se possível colocar bolsa de gelo na face por períodos de 15 minutos, principalmente durante as primeiras 24 horas para evitar ou reduzir o inchaço;
  • Evitar comer alimentos duros nos primeiros dias;
  • Evitar bochechos nas primeiras 24 horas para evitar a destruição do coágulo;
  • Após a extração do dente a recuperação é rápida, não sendo necessário qualquer repouso, contudo deve evitar esforços físicos intensos, principalmente no dia da extração, como por exemplo corrida, natação, musculação, entre outros;
  • Evitar ficar deitado logo após a cirurgia, e se possível dormir com uma almofada mais alta ou com a cabeceira da cama ligeiramente elevada para evitar um maior sangramento alveolar;
  • Tomar devidamente a medicação ou remédio prescrita pelo médico dentista, que pode passar apenas pela toma de analgésicos, de modo a aliviar a dor após extração de dente, mas também por anti-inflamatórios e/ou Antibiótico;
  • Manter uma higienização oral mais cuidada, sem descurar minimamente a zona da extração.

É normal que se verifique alguma inflamação após a extração de dente, mas raramente o rosto ou a face fica visivelmente “inchada”.

Em relação ao tempo que demora para cicatrizar, após a extração de um dente, este varia, habitualmente, entre 7 a 10 dias, se falarmos apenas da cicatrização ao nível dos tecidos moles. Uma cicatrização completa poderá demorar cerca de dois meses ou mais. De qualquer modo, o tempo de cicatrização depende da complexidade da própria exodontia e em grande parte dos cuidados pós-operatórios descritos.

Reabilitação (soluções para compensar os dentes extraídos)

A extração de um dente pode acarretar consequências posteriores indesejáveis, tais como: a perda de outros dentes, principalmente os adjacentes porque tendem a inclinar para o espaço excedente e a ficarem com mobilidade. Pode ocorrer a abertura de espaços entre os dentes (diastemas), problemas articulares, dificuldade na mastigação e até eventualmente ocorrer problemas na fonética, entre outras.

Por isso, é importante compensar os dentes extraídos, de forma a reabilitar convenientemente a estética e a funcionalidade dentária, exceto nos casos onde isso não seja pretendido, como é o caso dos dentes do siso, dentes de leite, dentes extraídos por razões ortodônticas ou noutros casos específicos.

Para o efeito podemos recorrer às seguintes soluções de reabilitação:

Quanto custa extrair um dente?

Obviamente que o preço de uma extração varia consoante o médico dentista ou a clínica dentária em questão. O valor também difere entre uma extração dita “simples”, comparativamente a uma extração dita “complicada”. Nesta são efetuados procedimentos complementares, nomeadamente odontosecção (secção da coroa do dente) ou osteotomia (remoção de osso adjacente), o que acontece com maior frequência nas exodontias de dentes inclusos ou semi-inclusos.

Em Portugal, o preço médio para uma extração simples tende a variar entre os 35 e os 60 euros, e para exodontias complicadas os preços tendem a subir.

Veja mais informação sobre tratamentos e preços na clínica que recomendamos no seu concelho.

clinica-dentaria.png