Miomectomia

Cirurgia de mioma uterino

O que é miomectomia?

A miomectomia consiste na remoção cirúrgica de um mioma uterino. Ou seja, através de uma cirurgia (ou operação), é realizada a exérese do mioma que se encontra localizado no útero.

O tipo de procedimento cirúrgico depende da localização dos miomas, do seu número, do seu tamanho e dos sintomas associados, conforme discutiremos adiante com detalhe.

A miomectomia uterina (onde o útero permanece preservado) deve ser distinguida da histerectomia. A histerectomia é um procedimento cirúrgico na qual é retirado o útero e o mioma existente nele.

Nem sempre é necessário realizar tratamento cirúrgico nos miomas uterinos. O tratamento médico e a vigilância são uma das opções na abordagem dos miomas uterinos, podendo esta ser eficaz ou suficiente numa grande maioria dos casos.

Saiba, aqui, tudo sobre tratamento do mioma uterino.

No entanto, a cirurgia está indicada em algumas situações, como veremos de seguida.

Indicações da miomectomia

A decisão de operar nesta doença benigna do útero depende de vários fatores. Depende do número, das dimensões e da localização dos miomas, e dos sintomas associados. Influencia também a decisão cirúrgica a indicação para manter a fertilidade e, portanto, a idade da mulher.

A miomectomia está, habitualmente, indicada nas mulheres com miomas de grandes dimensões (vários cm) ou com sintomas associados (como hemorragia vaginal e dores) e que pretendem preservar a sua fertilidade, mantendo o útero para uma possível gravidez no futuro.

Em casos selecionados de mulheres que não conseguem engravidar (infertilidade) pode também existir indicação para a realização de miomectomia, melhorando o prognóstico nos casos em que o mioma uterino se encontra como o único fator neste contexto.

Quando estão presentes múltiplos miomas na parede do útero (miomatose uterina), que acometem praticamente todo o útero, pode não ser tecnicamente possível realizar a miomectomia. O mesmo se verifica quando um único mioma tem dimensões suficientemente grandes para englobar toda a estrutura do útero. Nestes casos, a indicação e abordagem cirúrgica deve ser individualizada, podendo estar indicada a histerectomia total (cirurgia para a remoção do útero).

Saiba, aqui, tudo sobre histerectomia.

Como é realizada a cirurgia?

A miomectomia consiste numa cirurgia em que é realizada a remoção do mioma que está presente no útero, ficando o útero preservado. Dependendo da localização do mioma, esta pode ser feita de diferentes formas, como abordaremos de seguida.

Saiba, aqui, tudo sobre os tipos de mioma uterino.

No mioma uterino submucoso (localizado na cavidade uterina), a miomectomia é realizada por histeroscopia. Na cirurgia histeroscópica não é necessário fazer qualquer tipo de cicatriz abdominal, pois a abordagem é feita pela vagina e através do colo do útero, o que permite entrar dentro da cavidade do útero e visualizar o mioma. Nesta cirurgia é utilizada uma câmara (ótica) de pequenas dimensões e instrumentos que permitem que o mioma seja retirado da cavidade do útero e extraído pela vagina. Habitualmente, se o mioma tiver dimensões inferiores a 2 cm e se estiver totalmente dentro da cavidade uterina, o procedimento pode ser realizado em consultório, com anestesia local (do colo do útero). Se o mioma tiver maiores dimensões ou a sua localização também incluir a parede do útero (componente submucoso), a cirurgia é realizada habitualmente com anestesia geral, sendo utilizados instrumentos semelhantes mas de maior calibre (ressectoscópio).

O mioma uterino intramural ou intersticial (localizado na parede do útero) e o mioma uterino subseroso (localizado no exterior do útero) são operados por via abdominal, ou seja, a remoção do mioma é realizada através da “barriga” da mulher. Esta abordagem pode ser feita por laparoscopia ou por laparotomia.

Na miomectomia por laparoscopia são feitas pequenas aberturas (com 1cm ou menos) na “barriga” da mulher de forma a operar com uma câmara (videolaparoscopia) e pequenos instrumentos dentro do abdómen. Na miomectomia laparoscópica, alguns dos instrumentos funcionam com um tipo de energia (bipolar ou monpolar) que permitem coagular e cortar os tecidos, sendo vulgarmente apelidado de forma errada de “laser”.

A miomectomia por laparotomia é realizada através de uma incisão (abertura) na “barriga” da mulher, sendo também conhecida como miomectomia aberta. Nestes casos a cirurgia é realizada através da manipulação direta do mioma pelo cirurgião.

A decisão de realizar a miomectomia por laparoscopia ou por laparotomia deve ser individualizada com as características de cada doente e com a experiência do cirurgião, não existindo atualmente uma contraindicação absoluta quanto ao número ou tamanho do mioma para a realização da cirurgia laparoscópica.

Miomectomia - riscos, complicações

Os riscos associados a esta operação podem estar associados à própria cirurgia, ao pós-operatório (depois da cirurgia) ou numa gravidez futura.

As complicações associadas à cirurgia por histeroscopia são raras e habitualmente minor. Na miomectomia histeroscópica realizada em consultório, quando os procedimentos são mais demorados, pode haver alguma dor/desconforto na realização do procedimento ou, de forma mais rara, podem ocorrer sintomas como naúseas, suores e sensação de desmaio (sindrome vagal).

Na miomectomia histeroscópica realizada sob anestesia geral (ressectoscopia) as complicações incluem, essencialmente, a perfuração do útero e a hemorragia uterina (geralmente auto-limitada).

Na miomectomia laparoscópica e por laparotomia, as complicações intra-operatórias podem estar associadas a dificuldades na realização da própria cirurgia, podendo haver lesão dos órgãos adjacentes ao útero ou hemorragia uterina. O risco de hemorragia uterina é maior quando se trata de vários miomas, de miomas de maiores dimensões ou miomas submucosos, podendo em alguns casos mais graves ser necessário retirar o útero (histerectomia). A cirurgia por laparoscopia pode ser convertida em laparotomia (“abertura da barriga”) nos casos que apresentam dificuldade na realização da cirurgia.

O pós-operatório da cirurgia histeroscópica é habitualmente fácil, sendo os riscos de complicações raros. As complicações que podem estar associadas são o sangramento após a miomectomia, habitualmente pouco abundante e que cessa espontaneamente e a infeção do útero.

Nos casos selecionados de miomectomia por infertilidade, a probabilidade de engravidar pode aumentar e melhorar o prognóstico numa futura gravidez. A gravidez após a cirurgia habitualmente decorre sem complicações acrescidas podendo, no entanto, haver riscos associados à placentação.

Numa futura gravidez após a realização de miomectomia de mioma intramural, pode ser necessário realizar um parto por cesarina pelo risco de rotura do útero. Nas restantes cirurgias de miomas com outras localizações (mioma submucoso ou subseroso) o parto natural não está contraindicado.

O risco de recidiva do mioma uterino é de cerca de 20-30%, dependendo da localização, do número e tamanho do mioma, e do sucesso do procedimento cirúrgico realizado.

Miomectomia - pós operatório, recuperação

A recuperação após miomectomia de mioma submucoso é fácil e rápida. Pode associar-se a dores ligeiras nas primeiras horas após a cirurgia que cedem com medicação oral e a uma quantidade moderada de perda de sangue, que pode durar alguns dias ou até à menstruação seguinte. O procedimento é habitualmente realizado em ambulatório, ou seja, o internamento dura apenas 1 dia. Não é necessário realizar repouso absoluto, devendo a mulher ter apenas alguns cuidados após a cirurgia.

A recuperação após miomectomia laparoscópica é menos dolorosa e está associada a um menor tempo de internamento e a uma mais rápida recuperação comparativamente à realizada por laparotomia.

Devem ser cumpridos os cuidados e as orientações indicados pelo médico no período pós-operatório até haver nova avaliação em consulta que habitualmente é realizada no mês seguinte.

Quanto custa uma miomectomia?

Após a decisão da operação como melhor opção para a paciente, a localização e tipo de mioma uterino, a extensão da patologia e necessidades apuradas durante o planeamento cirúrgico clarificam a complexidade do procedimento e, assim, o preço da miomectomia.

O valor depende também do subsistema de saúde associado ao doente (SNS, ADSE, …), entre outros fatores.

Apenas o médico Ginecologista (especialista em Ginecologia) depois da avaliação em consulta poderá estimar a complexidade da cirurgia.

ginecologia.png