Higiene e Segurança Alimentar na COVID-19

Higiene e Segurança Alimentar na COVID-19

Higiene e Segurança Alimentar

A higiene e segurança alimentar está presente num vasto conjunto de atividades e instituições, constituindo uma componente prioritária do dia-a-dia de cada um. 

Atualmente, a segurança dos produtos alimentares edifica uma preocupação primordial aos olhos dos cidadãos e das entidades do setor da alimentação e da restauração, como uma condição necessária ao reforço da proteção dos consumidores, por forma a garantir a higiene, a segurança e a qualidade alimentar.

Não há evidência de que, o coronavírus SARS-CoV-2 possa ser transmitido através dos alimentos, porém, recomenda-se a manutenção e reforço das medidas de prevenção de higiene pessoal e de higiene do ambiente de preparação, confeção e consumo.

É de premência garantir boas práticas de higiene, pois justifica os cuidados a ter com a preparação, manipulação e ingestão alimentar.

A alimentação é nutre e fundamental, mas sozinha não caminha sem o nosso, seu contributo, por isso, como consumidor seja consciente e racional, para seu bem e do Outro.

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é uma doença infeciosa aguda do trato respiratório, causada por um novo tipo de coronavírus, designado de SARS-CoV-2.

A pandemia da COVID-19, problema global de saúde pública, teve, tem e terá impacto em todas as atividades, nomeadamente, em todos os mercados envolventes na produção, distribuição e de consumo. Pretende-se assim, elucidar acerca do SARS-CoV-2, preocupações e comportamentos a adotar e reforçar no momento de aquisição de bens alimentares, armazenamento, preparação, confeção e distribuição alimentar, bem como, recomendações que assegurem a higiene e segurança alimentar, com base em orientações de entidades de referência, no contexto da pandemia COVID-19.

Em que consiste a Higiene dos Alimentos? 

Condições e medidas necessárias para controlar os riscos e assegurar a segurança e a aptidão dos alimentos para consumo humano.

Em que consiste a Segurança Alimentar? 

Na ausência ou presença, em níveis aceitáveis e seguros, de contaminantes, toxinas naturais, adulterantes, ou qualquer outra substância suscetível de prejudicar a saúde, por forma a assegurar que, o alimento não causará danos no consumidor quando preparado e/ou consumido.

A COVID-19 pode ser transmitida através dos alimentos?

Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) não existe, até ao momento, evidência de qualquer tipo de contaminação através do consumo de alimentos cozinhados ou crus.

Porém, aplicando o princípio da precaução, a manutenção e o reforço das boas práticas de higiene e segurança alimentar durante a receção, armazenamento, manipulação, preparação, confeção e distribuição dos alimentos/refeições é recomendada.

Como ir às compras em segurança?

É fundamental considerar alguns cuidados a ter no supermercado, ao fazer compras, como manter uma distância de segurança, usar máscara corretamente e evitar tocar nos olhos, boca e nariz. Se possível, higienizar as alças dos carrinhos de compras ou cestas antes de fazer compras. Não humedecer os dedos com os lábios para abrir sacos de plástico, friccioná-los até os conseguir abrir.

Cheguei a casa com as compras. E agora?

Uma vez em casa, lave as mãos, antes e após manusear e armazenar os produtos, dando prioridade aos alimentos refrigerados, congelados e por ordem de validade.

Em primeira instância, deve identificar e descartar todas as embalagens que não são essenciais. A título de exemplo, pode guardar a massa e o arroz em frascos ou reservar o pão num saco de pano, deitar fora a caixa de cartão dos cereais de pequeno-almoço. Para as restantes embalagens poderá limpá-las com um pano ou uma toalhita embebidos na solução desinfetante.

No final, se tiver utilizado sacos reutilizáveis, deve higienizá-los com o desinfetante ou lavá-los na máquina a 60 graus.

Como lavar frutas e legumes?

Estas(es) devem ser lavadas(os) e desinfetadas(os) da seguinte forma:

  1. Rejeitar folhas exteriores e partes velhas ou pisadas;
  2. Lavar com água corrente;
  3. Mergulhá-las(os) numa solução desinfetante adequada para esses fins, durante 10-15 minutos;
  4. Enxaguar novamente e abundantemente com água corrente.

Que práticas devemos ter em conta para evitar a infeção por COVID-19 na vertente alimentar?

Algumas práticas preventivas da COVID-19:

  • Lavar as mãos com água e sabão com frequência, pelo menos 20 segundos;
  • Usar desinfetante para as mãos, quando a lavagem das mãos não for possível;
  • Evitar tocar no rosto depois de tocar nas embalagens de alimentos;
  • Respeitar o distanciamento físico;
  • Ficar em casa enquanto estiver doente e evitar contacto próximo com outras pessoas;
  • Cobrir a boca /nariz com um lenço de papel ao tossir ou espirrar e descartá-lo;
  • Limpar maçanetas, interruptores de luz e áreas comumente tocadas com desinfetante e com frequência;
  • Preparar e confecionar os alimentos adequadamente, para tal é essencial:
    • Cozinhar as carnes adequadamente;
    • Armazenar e conservar os alimentos na temperatura apropriada;
    • Verificar se os alimentos não expiraram de validade antes de prepará-los e comê-los;
    • Evitar contaminação cruzada.

Quais as boas práticas de higiene relativas à preparação, confeção e consumo de alimentos? 

No momento de manusear, preparar e confecionar, é importante:

  • Lavar frequentemente as mãos (com água e sabão durante 20 segundos), seguida de secagem apropriada, evitando a contaminação cruzada (por exemplo fechar a torneira com uma toalha de papel);
  • Desinfeção adequada das bancadas de trabalho e das mesas com produtos apropriados;
  • Utilizar tábuas, facas e utensílios diferentes para preparar os alimentos crus e os cozinhados;
  • Lavar adequadamente os alimentos crus;
  • Evitar a contaminação entre alimentos crus e cozinhados;
  • Cozinhar e ”empratar” a comida a temperaturas apropriadas;
  • Evitar partilhar comida ou objetos entre pessoas durante a preparação, confeção e consumo;
  • Durante a preparação, confeção e consumo adotar as medidas de etiqueta respiratória.

Confeção e empratamento da comida a temperaturas apropriadas

  • Não descongelar os alimentos à temperatura ambiente, mas sim no frigorífico;
  • Preparar os alimentos retirados do frio com a maior brevidade possível;
  • Cozinhar bem os alimentos (especialmente ovos, carne e pescado);
  • Cozinhar a temperaturas acima dos 75ºC;
  • No caso das carnes, assegurar que os seus exsudados são claros e não avermelhados;
  • Refrigerar rapidamente os alimentos cozinhados e/ou perecíveis (preferencialmente abaixo de 5ºC);
  • Manter os alimentos cozinhados quentes - acima de 60ºC, até duas horas após a sua confeção. Se passarem mais de 2 horas, a comida deve ser eliminada ou aquecida até deitar vapor;
  • Para provar um alimento, retirar com uma colher limpa uma porção deste, e afastado do recipiente original, de seguida, colocar a colher para lavar. Voltar o repetir o procedimento para nova prova;
  • Minimizar o tempo entre confeção e consumo.
medico-concelho.jpg